A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

08/12/2015 11:42

Operação prendeu 9 membros de quadrilha que aplicava golpe do fantasma

Luana Rodrigues

A polícia está analisando os documentos apreendidos com a organização criminosa que usava nomes de pessoas mortas e de aposentados para financiar veículos em Mato Grosso do Sul. Nesta segunda-feira(07), a operação Delarolli, da Deco(Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado), prendeu nove pessoas e apreendeu dois veículos que teriam sido comprados com documentos falsificados.

Conforme a delegada Ana Claudia Medina, os presos estão sendo ouvidos e devem trazer a polícia mais informações de como funcionava o golpe. "Já temos parte da quadrilha identificada, mas acreditamos que existem outros envolvidos, por isso a importância dos depoimentos e análise dos documentos", explicou.

O estelionatário Mouracy Vitório de Lima é considerado o líder da quadrilha, mas estão envolvidos nos crimes um técnico de enfermagem do Samu(Serviço Atendimento Médico de Urgência), um contador, um vendedor de carros de uma concessionária e um despachante, todos da Capital. Os nomes dessas pessoas ainda não foi revelado pela polícia.

De acordo Medina, a quadrilha vinha financiando veículos através de fraude documental e ocultação de patrimônio. Usava nomes de pessoas mortas, como se fossem fantasmas. "Tenho certeza que eles não tinham noção da proporção que o golpe poderia tomar, e acreditamos que tenham outras vítimas", considera a delegada.

Todos os nove presos foram indiciados e vão responder por estelionato. Eles ficarão presos temporariamente até esta sexta-feira(11), mas, segundo a delegada, será pedida a Justiça, a prisão preventiva da quadrilha.

Vítimas - A investigação que resultou na operação começou depois de uma denúncia a polícia de que um veículo Azera havia sido financiado em nome do nadador e paratleta Gustavo Romeu Delarolli, aqui em Campo Grande.

Gustavo morreu em 2013, vítima de um AVC (Acidente Vascular Cerebral), no interior de São Paulo, por isso a família procurou a polícia ao saber do financiamento.

Após quatro meses de investigação, policiais descobriram outras duas vítimas do golpe na Capital. Sendo uma delas um aposentado de 50 anos. 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions