ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SEGUNDA  30    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Pai que matou filho afogado também responderá por tentativa de homicídio

Ministério Público considerou depoimento da vó sobre episódio ocorrido em Aquidauana

Por Tainá Jara e Clayton Neves | 17/02/2020 15:20
Evaldo Christian Dias Zenteno, 21 anos, é acusado de arremessar o filho contra o chão dias antes de matá-lo afogado (Foto: Kisie Ainoã)
Evaldo Christian Dias Zenteno, 21 anos, é acusado de arremessar o filho contra o chão dias antes de matá-lo afogado (Foto: Kisie Ainoã)

Evaldo Christian Dias Zenteno, 21 anos, réu confesso pela morte do filho, Miguel Henrique, 2 anos, em setembro do ano passado, vai responder também pelo crime de tentativa de homicídio. O pedido do MPE (Ministério Público Federal) considerou o depoimento da vó materna da criança. Segundo ela, dias antes de afogar a criança em uma bacia de água, o pai teria a arremessado no chão.

A nova acusação acabou adiando o depoimento do réu, inicialmente marcado para ocorrer na tarde desta segunda-feira, na segunda audiência sobre o caso, na 2° Vara do Tribunal do Júri. Desta forma, foram ouvidas hoje apenas duas testemunhas: uma de defesa, investigador da polícia civil, e uma de acusação, amiga do acusado.

Conforme o MPE, a vó materna contou em audiência de custódia, realizada em dezembro do ano passado que, sete dias antes de matar o filho afogado numa bacia para se vingar da ex-mulher, Thayelle Cristina Bogado dos Reis, 21 anos, mãe da criança, o acusado havia tentado matar Miguel o arremessando no chão. O fato teria ocorrido no município de Aquidauana, distante 139 quilômetros de Campo Grande.

O juiz Aluizio Pereira dos Santos solicitou informações sobre o atendimento ao Hospital de Aquidauana que atestam que a criança chegou inconsciente na unidade. “É preciso saber se houve, ou não, essa tentativa, em que a criança foi arremessada no chão. Os indícios vistos pela promotora são fortes”, destacou.

A vó não presenciou a agressão, mas o próprio Miguel teria dito para ela ao falar do episódio: “Papai empurrou”.

Testemunhas – O Policial Civil ouvido na audiência de hoje, como testemunha de acusação, acompanhou as investigações, inclusive participou da prisão do rapaz. Segundo ele, Evaldo confessou que segurou a cabeça dentro da água até parar de mexer, quando parou, secou com toalha e foi pra o hospital.

Como justificativa, o acusado de afirmou que se separou da mãe da criança porque ela tinha o traído e queria fazer a ex-mulher sofrer. “Disse que acabou com a vida: matei meu filho por causa de uma mulher”, teria dito Evaldo quando já estava dentro da viatura.

Amiga do reú, a testemunha de defesa, afirmou que o conhece desde 2015. Segundo ela, ela soube do episódio ocorrido em Aquidauana, mas que, conforme relato do acusado, a criança teria caído acidentalmente e o pai nem estava no quarto no momento da queda. “Ele era um bom pai. Sempre foi carinhoso e presente. Tanto que Miguel ficava mais com ele”, afirmou.