A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018

27/05/2018 09:30

Que fim levam os exames e prontuários que ficam nos hospitais?

Burocracia pode durar até 30 dias para conseguir cópia do prontuário; Santa Casa só emite quando é solicitada

Izabela Sanchez
Caixas de prontuários estocadas na Santa Casa (Izabela Sanchez)Caixas de prontuários estocadas na Santa Casa (Izabela Sanchez)

São cerca de 26 mil caixas guardadas em um dos depósitos do Same (Serviço de Arquivo Médico e Estatística). O volume é de prontuários, toda a série de documentos relativos a pacientes que passaram pela Santa Casa: laudos, prescrições, medicação. Conforme explicou a chefe do Same, Monique Gregório. A legislação determina que todo paciente tem direito ao prontuário, e o hospital deve emitir uma cópia. Ainda assim, esse processo não é automático e pode demorar até 30 dias.

“Funciona assim: o paciente vem, faz a solicitação, porque por lei ele não tem direito ao original, ele tem direito a uma cópia, porque o original tem que ficar arquivado dentro da instituição. Aí o paciente vem, faz a solicitação e aí a gente dá um prazo mínimo de 30 dias pra ele retirar. Então ele vem aqui e fala: eu sou o Seu João, eu estive aqui no ano de 2003, depois no ano de 2011 e agora no ano de 2018. Eu quero todo o meu atendimento que foi feito nesses três anos, aí a gente faz o pedido e vai atrás da documentação física, digitaliza ela. Hoje eu só digitalizo aquilo que é solicitado. Quando o paciente vem retirar a gente imprime a cópia dele”, explica Monique.

Digitalização

Atá janeiro de 2017, a Santa Casa enfrentava dupla burocracia. Além dos documentos originais, os depósitos guardavam milhares de cópias dos prontuários. Isso porque a cada pedido, o hospital tirava cópias que muitas vezes ficavam armazenadas sem uso: nem todos que pediam os exames iam buscar. Em média 30% dos que requerem os exames deixam de ir buscá-los. Agora, no entanto, é tudo digitalizado. O paciente deve pedir os documentos, que serão digitalizados.

“Antes o paciente vinha, solicitava, tirava uma cópia e guardava essa cópia. Aí o paciente veio e pediu, e não retornava pra buscar. Então quer dizer, por lei, eu tenho que ficar com o documento e com a cópia arquivado. Gerava custo, gasto e espaço. Pra conter isso é que hoje a gente digitaliza só aquilo que é pedido”, comenta a chefe do Same.

O paciente que deseja os documentos deve ir até o Same, que funciona das 7h às 17h20 de segunda à sexta-feira. Deve portar documentos pessoais com foto, parentes também devem levar documentos pessoais e documentos do paciente. Cônjugue devem levar certidão de casamento.

“Qualquer outra pessoa que não sejam eles. O advogado, com procuração simples, a OAB dele e a cópia do documento do paciente. Não é advogado, é o vizinho, o amigo, etc, somente com procuração pública e específica. Isso tanto vale para o prontuário como para o exame”, explica Mônica.

A retirada dos documentos tem um custo. A ficha de urgência, quando o paciente ficou até 24h no hospital, custa R$ 5 até 25 folhas. Caso passe de 25, o hospital cobra 20 centavos por folha. Já o prontuário de internação custa R$ 10 até 50 folhas, e 20 centavos por folha caso ultrapasse esse quantitativo. São cerca de 2400 pedidos por mês.

Santa Casa, maior hospital da região Centro-oeste (Arquivo/Campo Grande News)Santa Casa, maior hospital da região Centro-oeste (Arquivo/Campo Grande News)

Exames

Conforme explica Mônica, os exames não são cobrados e a Santa Casa registra cerca de 120 pedidos por mês. A tomografia, por exemplo, tem um prazo de15 dias úteis após solicitação, incluindo imagem com laudo. “Se ele quiser só o laudo, se tiver liberado no sistema, imprime na hora e o paciente leva, se ele quiser a imagem são 15 dias úteis”, orienta.

Ressonância: o paciente traz um cd pra que a gente possa gravar a imagem. O laudo é a mesma coisa, é um laudo se tiver liberado no sistema a gente imprime na hora e entrega. Cateterismo, angio, outros exames, a gente pede 5 dias úteis. Ressonância também são 5 dias úteis.

A Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul) tem as mesmas regras e exige documentação do paciente, familiar ou representante legal. O prontuário demora até 30 dias para ficar pronto. Os exames, explica o hospital por meio da assessoria de imprensa, tem prazos que variam de acordo com cada tipo de exame.

Os documentos, prontuários e exames, podem ser pedidos no pronto atendimento do hospital, e os exames também podem ser requeridos nos laboratórios. Os prontuários são entregues digitalizados por DVD e custa R$ 10.

A Unimed disponibiliza todos os exames no site da Unimed. Após realizar o exame, o paciente recebe um login e uma senha para acessar o resultado. Já o prontuário pode ser solicitado presencialmente na recepção do Hospital Unimed Campo Grande. O paciente deve levar os documentos. O prazo é menor do que outros hospitais e demora 7 dias úteis para ser retirado.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions