A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

21/03/2012 10:05

Terrenos da Prefeitura são desocupados no Taquaral Bosque

Fernando da Mata e Paula Vitorino
Moradores assistem máquinas recolhendo destroços (Fotos: Marlon Ganassin)Moradores assistem máquinas recolhendo destroços (Fotos: Marlon Ganassin)
Reintegração aconteceu às 6h da manhã e moradores tentaram salvar os poucos móveis. Reintegração aconteceu às 6h da manhã e moradores tentaram salvar os poucos móveis.

Terrenos da Prefeitura que abrangem três quadras no bairro Taquaral Bosque, região norte de Campo Grande, foram desocupados na manhã desta quarta-feira (21).

Segundo o oficial de Justiça que cumpriu a determinação, a área tinha sido ocupada há dois meses por 60 pessoas. Eram cerca de 20 barracos. A decisão saiu depois que a administração municipal entrou com pedido na Justiça.

Acompanhado por policiais da Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais) e agentes da Guarda Municipal, o oficial de Justiça chegou no local com a ordem de reintegração de posse por volta das 6h30.

A desocupação foi pacífica, não sendo preciso o uso da força policial, segundo informações dos policiais da Cigcoe.

A aposentada Conceição Brito da Silva, 50 anos, foi a primeira pessoa a montar um barraco no local, há cerca de dois meses. Antes de ocupar a área, morava com a irmã depois que chegou de mudança de Corumbá. “Fiquei sabendo da área e resolvi vir para conseguir casa”, contou a aposentada.

Grávida, Vanessa Carvalho, 25 anos, morava de aluguel com o marido e resolveram montar barraco há um mês porque não tinha mais condições de sustento, já que só o companheiro trabalha.

“Nós estávamos nos virando aqui. Nós pegávamos água e usávamos banheiro de uma construção”, relatou a jovem sobre o dia a dia no local antes do despejo.

Os barracos foram demolidos por máquinas da prefeitura depois da desocupação e os destroços foram recolhidos por caminhões também da administração municipal.



sei que tem muitas pessoas ali no meio que nao precisam,mais e aquelas q realmente nao tem pra onde ir,tem muitas pessoas q nao podem pagar aluguel pois estao desempregados eos idosos as crianças e muito triste ,a prefeitura tinha q ter arrumado moradia para essas pessoas.
 
geisi p silva em 23/06/2012 03:14:47
Hoje 22/03 já tem gente lá de novo. Foi só a polícia e os tratores saírem, que os invasores voltaram. Tem gente que invade só pra vender mesmo. A grande maioria não precisa estar ali, só está por má fé.

Tem que tirar eles dali mesmo.
 
Marcos de Oliveira em 22/03/2012 11:01:35
Como vizinho e começiante essas pessoas tem suas casas no bairro bosque da esperança, invadem aguardam e vendem o lote invadido ! picaretagem pura
 
Julio carmargo em 22/03/2012 07:47:24
é, despejaram familias carentes. é agora, vão utilizar o terreno? ou desocuparam só para crescer mato? e as familias? para onde vão? a prefeitura vai dar abrigo a eles? isso é palhaçada.
 
rosangela da silva em 21/03/2012 12:04:51
Tem gente que não precisa estar ali, tem muitos que tem casa, carro e até moto, que ficam estacionados na frente dos barracos! É claro que tem gente no meio que precisa, mas a maioria é de gente que não precisa. Corre um "boato" que no meio dos invasores, tem um homem que vendeu a casa e agora está no meio da invasão, ele é usuário.

Depois que houve a invasão, já vimos várias brigas.
 
Marcos de Oliveira em 21/03/2012 11:40:39
Não concordo com invasão mais se esse terreno é da prefeitura ela teria de cuidar (fechar , limpa ) ai depois qdo poder a prefeitura faça algo la para áà população . não deixe ficar dois 2 mês a um1 ano para depois colocar as pessoas que ja estão debilitada pela vida , e ai humilha eles destroindo tudo que eles tem de bom que é a humildade . pense nisso meus politicos .
 
elias bacha de souza em 21/03/2012 11:01:45
E triste porem a lei tem q ser respeitada. Invasão qualquer q seja tem q ser combatida com rigor.
O que tem que se cobrar e uma atitude dos governos para q supra os necessitados de um teto para morar.
Pergunto : Aonde foram alojadas essas pessoas?
Algum politico apareceu no local para dar apoio ?
Brasillllllllllllllllllllllllllllllllllll
 
Marco Aurelio em 21/03/2012 10:46:34
Palhaçada hem!
Primeiro o governo deveria arrumar moradia para este povo carente, depois pensar em despejar esse povo !????
Arrumem moradia primeiro, depois façam isso, nesse meio todo, existem crianças que nada pensam, crianças que precisam de apoio, carinho e boa educação. Elas não pedem muita coisa, só querem um LAR para morar!???
Precisamos de uma grande reforma na habitação de Campo Grande.
 
Isabela Camargo em 21/03/2012 09:51:30
É a Lei, área pública não pode ser ocupa por poucos, A PMCG está correta em cumprir a Lei, agora tem que limpar os terrenos, fazer calçadas e murro de até um metro de altura conforme Leis municipais de uso e ocupação do solo. É isso aí Lei é Lei.
 
Jose Silva em 21/03/2012 08:11:54
Não sou favoravel a desordem, mas o que acho desproporcional são as nossas leis postas, se terreno é de orgão Publico não é passivo de usocapião se particular sim, se não cumprir a função social.Tería que ser o inverso se são terras Publicas ja pertence ao povo, só que no BRASIL é assim mesmo democracía só quando convem ao poder Publico.
 
PORFIRIO VILELA em 21/03/2012 07:51:11
Pois eu prefiro que as áreas de prefeitura fiquem ocupadas por pessoas carentes ao invés de virarem lixão, esconderijo de marginais e foco de dengue. Não me canso de citar minha rua como referência, quem discorda da uma passadinha aqui pra ver a situação, Rolim Moreira, jd. Anahy, também área desocupada pela prefeitura.
 
José Edson em 21/03/2012 05:36:21
A ordem é reintegração de posse, de retirada e não de destruição dos pertences dos invasores. A destruição dos pertences é crime e cabe reparação.
 
EDILSON PEREIRA DA SILVA em 21/03/2012 05:33:11
A Prefeitura agiu dentro da Lei. Não podemos ser conivente com a coisa errada e tem é gente se aproveitando da situação e logo pede uma casa da EMHA para vender. Um fato me chama atenção é que na final da rua Franklin Espindola esquina com Av. Ludio coelho, bem no portão da Vila da Base Aérea no Taveirópolis uns espertos já construiram dois barracos no terreno da prefeitura como se fossem deles.
 
EDINALDO VIANA em 21/03/2012 02:40:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions