A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

28/02/2014 17:16

Carta de esclarecimento à sociedade

Sinpol
Carta de esclarecimento à sociedade

O Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul vem a público esclarecer à sociedade o total descaso do Governo do Estado e a falta de investimento na Segurança Pública, que tem trazido consequências graves tanto para os policiais, quanto para a população.

Há tempos, os policiais trabalham como verdadeiros heróis, por que convivem diariamente com péssimas condições de infraestrutura, delegacias literalmente caindo aos pedaços, viaturas com pneus carecas e comprometimento mecânico, falta de armamento necessário, as delegacias estão lotadas de presos, falta efetivo policial, entre outros inúmeros problemas.

Infelizmente, as situações citadas acima não são exagero! É a realidade. Elas ferem a Constituição Federal, a Lei de Execuções Penais e os Direitos Humanos. Por conta do descaso, perdemos nesses últimos 60 dias, três policiais civis em serviço.

E com essas situações, todos estamos perdendo. Nós, policiais civis, que temos que heroicamente proteger a população, mesmo sem estrutura. Os presos, que encarcerados nas delegacias, perdem os seus direitos básicos, tais como banho de sol, visitas de familiares, direito a saúde, entre outros; e por fim, a população, que paga imposto, e não vê retorno, principalmente na Segurança Pública.

Estamos cansados de conviver com manchetes de morte, assassinato, roubo todos os dias. A população não quer sair de casa para trabalhar e pedir proteção divina para voltar viva. A proteção tem que ser do poder público.

E sabe o que é pior? As autoridades já estão cansadas de saber desses problemas, mas insistem em cruzar os braços. Em 2007 um novo governo assumiu com promessas... Mas, sete anos já se passaram, e NENHUM presídio ou cadeia pública foi construída, continuando o legado do descaso do governo anterior e piorando a situação da segurança dia a dia.

As delegacias têm feito papel de presídios, mantendo presos em condições subumanas nas celas... As autoridades ainda não entenderam que as delegacias não são presídios e não tem condições de acolher presos. Além disso, policiais têm sido obrigados a custodiar presos, função essa da AGEPEN (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário).

Na Polícia Civil falta efetivo, por que com as celas cheias, o policial deixa de investigar casos, para cumprir outras funções que não são suas. Precisamos urgentemente da contratação imediata de 1.400 profissionais...

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Estado publicou dados que mostram a redução nos índices de criminalidade. Esses dados contrariam o bom senso da sociedade... Se falta policial nas ruas, falta investigação de maneira ágil, estrutura física, os presídios estão superlotados ... será mágica acontecendo? Quanto menos servidores mais eficiência?

Provavelmente após a divulgação dessa carta a Secretaria de Segurança Pública irá contestar os dados, afirmando que fará investimentos na construção de novos presídios, irá criar mais vagas... Essas promessas já foram feitas há anos, e mesmo que o governo comece hoje as obras, o lapso temporal para construção será de três anos. Infelizmente, já conhecemos esse “empurra empurra de responsabilidades”, mas desta vez, não vamos permitir que a bola seja repassada para outro governo ... Não vamos continuar vítimas do descaso!

Diante dos fatos expostos acima, o SINPOL-MS vem alertar a sociedade, sobre a possibilidade da categoria Polícia Civil entrar em greve, reivindicando que o Governo tome providências imediatas, tais como: aumento do efetivo policial, melhores condições de trabalho, bem como viaturas e armamentos adequados para cada localidade e a retirada de presos das delegacias de polícia. Temos a certeza de que essas providências trarão consequentemente, uma Segurança Pública digna para a população!

DIRETORIA SINPOL-MS

Campo Grande, 27 de fevereiro de 2014.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions