A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

24/06/2013 16:47

Com 77% de adolescentes bebendo, Capital é 2ª em casos de embriaguez

Nadyenka Castro e Evelyn Souza

“Bebo vodka, vinho, cerveja, mas bebo mais vodka”, conta o estudante de 15 anos, que conversa tranquilamente sobre o assunto e ainda revela que o primeiro gole foi quando era ainda mais ‘criança’. “Comecei a beber aos 13 anos”.

Ele e outros tantos garotos de Campo Grande colocam o município em terceiro lugar no ranking entre os estudantes de capitais com idade entre 13 e 15 anos que já ingeriram bebida alcoólica.

A informação é do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que no ano passado, questionou 1.953 alunos do 9º ano de escolas públicas e privadas da Capital. A garotada respondia às questões da Pense (Pesquisa Nacional do Escolar) em palmtop, individualmente, o que dá mais crédito as informações.

De acordo com a pesquisa, 77,1% dos estudantes entrevistados assumiram que bebem. Dentre eles, 14,6% confessaram que já protagonizaram episódios de embriaguez. Dado que coloca Campo Grande como a segunda capital com mais adolescentes estudantes que ficam bêbados. A primeira é Florianópolis, Santa Catarina.

Essa garotada consegue bebida alcoólica em quatro locais principais, entre eles, a própria casa. Ambiente em que alguns afirmam ver pais e responsáveis tomando goles e goles. “Meu pai e minha também bebem”, afirma o menino que estuda no 7º ano de uma escola pública.

O menino é um dos 10,2%, em todo o País, que tem acesso ao álcool no ambiente familiar. E está inserido também no grupo de 21,8%, no Brasil, que consegue bebida alcoólica com amigos.

E não são só meninos que bebem. As meninas também fazem uso das mesmas bebidas. “Já bebi vodka. Experimentei em festas”, fala uma estudante de 14 anos. Ela está entre os 39,8% que têm acesso a estas bebidas em festas.

Os adolescentes também conseguem adquirir bebida alcoólica no comércio, mesmo sendo proibida a venda para menores de 18 anos. Conforme a Pense, entre os estudantes que bebem, 15,6% compram.

Os dois estudantes têm em comum o fato de familiares também beberem e da família não se importar com isso, pelo menos, segundo o que eles dizem. Situação que representa 10% dos meninos e meninas entrevistados pelo IBGE em todo o País.

Outros 5,9% declararam que a família se importa pouco com o consumo de bebida alcoólica. No entanto, a maioria – 89,7% - afirma que pai e mãe não gostariam de vê-los bebendo.
Conforme o relatório da Pense, o consumo precoce de álcool pode causar 60 tipos de doenças na vida adulta e influencia o desenvolvimento cognitivo, emocional e social. Além disso, pode comprometer o rendimento escolar e deixar a pessoa violenta.

Mega-Sena acumula de novo e prêmio estimado sobe para R$ 43,5 milhões
Mais uma vez a Mega-Sena ficou sem vencedor na faixa principal e, com isso, a premiação acumulou e pode chegar a R$ 43,5 milhões no próximo concurso,...
Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões no sorteio deste sábado
A Mega-Sena deste sábado (16), que está acumulada, pode pagar R$ 39 milhões para quem acertar os seis números. O concurso 1.997 ocorre às 20 horas, h...


o consumo de bebida alcoólicas é o inicio para o consumo de drogas e entorpecentes, na embriagues a pessoa é levada ao consumo de drogas.
 
efraim dutra em 25/06/2013 10:01:34
Também com tanta propaganda visual: midiática, TV, outdoors, rádio internet, querem o que??? Os jovens são vazios e na busca de preencher esse vazio se entrega a bebida num momento de curtição. Cadê a educação e a conscientização? É lamentável a associação da bebida ao prazer!
 
jocelino maropo em 25/06/2013 09:54:23
Isso a polícia não fiscaliza né?
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 25/06/2013 09:21:01
Cultura da moda sertaneja, aonde musicas e baladas que falam de bebidas livremente e incentivando a bebida... em outras cidades com culturas aonde o sertanejo não é tao forte não temos esses índices.
 
Wallace Medeiro em 25/06/2013 08:24:03
Essa gurizada de hoje não quer saber de nada, eu quando era mais jovem, fazia estágio e tals, eu bebia sim, mas com meu dinheiro, nunca dependi da minha mãe ou de quem quer que seja para comprar minha bebida. A gurizada hoje só quer farra, mas sair do 6º ano que é bom nada!
 
Lucas garcia em 25/06/2013 07:57:25
Isso acontece em toda casa que consome bebida. O filho viu o pai bebendo ou fumando, 98% vai fazer também. Nossa cultura não está inserida bons hábitos no geral. Quantas famÍlias acostuma frequentar igrejas juntos, acostumar os filhos, ainda criança frequentar? Depois reclamam!
 
luiz alves em 25/06/2013 07:27:51
Isso por que a bebida e proibida para menores. Imaginem se fosse liberada? E ainda querem liberar a maconha.
 
Alex Andre De Souza em 24/06/2013 19:59:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions