ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Decisão do TJ tira casais gays da informalidade, diz juiz da Vara de Família

Nícholas Vasconcelos | 02/04/2013 19:46
Juiz da Vara de Família, lembra que casais homossexuais viviam na informalidade. (Foto: João Garrigó)
Juiz da Vara de Família, lembra que casais homossexuais viviam na informalidade. (Foto: João Garrigó)

A decisão do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) que reconheceu o casamento de pessoas do mesmo sexo tirou casais da informalidade, afirma o juiz da 1ª Vara de Família de Campo Grande, David de Oliveira Gomes Filho.
Hoje o Tribunal publicou um provimento, uma decisão administrativa, da Corregedora Geral, desembargadora Tânia Garcia de Freitas Borges, que determina a conversão de uniões estáveis de pessoas do mesmo sexo em casamentos.

“Até ontem, as pessoas viviam na informalidade e precisam fazer provas das uniões” , afirma o juiz David de Oliveira Gomes Filho.

Com o reconhecimento de casamento, os casais homoafetivos passam a ter todas as garantias previstas na Lei e que já são aplicadas aos casais heterossexuais. Eles poderão escolher o regime em que pretendem se casar, em caso de divórcio poderão realizar a partilha de bens, além da inclusão em plano de saúde. Há ainda a garantia de que, em caso de morte, uma das partes se torne herdeira e ainda o direito ao registro do nome de ambos na certidão de nascimento dos filhos.

Antes, em caso de morte ou divórcio, o companheiro não tinha como garantir o direito aos bens. “O companheiro ficava de mãos vazias”, lembra.

A desembargadora Tânia Borges se baseou na Constituição Federal, que tem como fundamento a dignidade humana, e na ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 4277 julgada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) que reconheceu a união de pessoas do mesmo sexo em 2011.

De acordo com o provimento n° 80, publicado nesta terça-feira (2) no Diário Oficial da Justiça, os fóruns e juízes estaduais deverão seguir a nova regra. É uma decisão administrativa que serve para orientar o trabalho dos magistrados. São Paulo foi o primeiro Estado brasileiro a reconhecer o casamento de pessoas do mesmo sexo e foi seguido por Ceará, Bahia e Alagoas.

O casal que optar por poder ter filhos poderá colocar o nome de dois pais ou duas mães na certidão de nascimento, sem distinção de quem são os avós “paternos” ou “maternos”.

Para o juiz da Vara de Família, deve aumentar o número de casais de pessoas do mesmo sexo que optam por pelo casamento, já que existe um desejo de que formalização das uniões.

“Família não é formada apenas por casal, mas também por irmãos, mães solteiras pelo princípio da dignidade humana”, destacou Gomes.

Nos siga no Google Notícias