A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 21 de Outubro de 2018

12/10/2018 18:44

Defesa tenta revogar duplo afastamento de desembargadora no STF

O mandado de segurança vai ser apreciado pelo ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luiz Fux

Adriano Fernandes
Tânia Garcia de Freitas Borges presidia o TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral do Estado).Tânia Garcia de Freitas Borges presidia o TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral do Estado).

A defesa da magistrada Tânia Garcia de Freitas Borges ingressou com um mandado de segurança no STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo a revogação de decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) que a afastou de suas funções no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) e no TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral do Estado).

Tânia é alvo de um PAD (Processo Administrativo Disciplinar), acusada de ter usado da influência de seu cargo de desembargadora para facilitar a liberação de seu filho, Breno Solon preso por tráfico de drogas em abril de 2017.

Um duplo afastamento, “absolutamente injustificado” e com base em supostos “indícios de irregularidades, absolutamente inverídicos” pontua o advogado da magistrada, Cezar Bittencourt no documento. O mandado vai ser apreciado pelo ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luiz Fux. O prazo de divulgação de uma decisão é de 5 a 10 dias.

Caso - Tânia era a atual presidente do TRE, função exercida concomitantemente com as atribuições de desembargadora do TJMS. O afastamento foi decidido na terça-feira (9), junto com a abertura da investigação do CNJ, apontando que haveria riscos para a execução dos trabalhos caso ela permanecesse nos cargos.

Via assessoria, o TJMS confirmou que o presidente da Corte, desembargador Divoncir Maran, já cumpria na manhã desta quarta-feira (10) a decisão o CNJ. No TRE, Tânia Borges já não respondia pela presidência do tribunal desde a tarde de terça, horas depois de a decisão do conselho ser proclamada –a sessão daquela noite já foi presidida pelo desembargador Sérgio Martins, em caráter interino.

Vice-presidente do TRE e corregedor de Justiça Eleitoral, o desembargador João Maria Lós está de licença.

Julgamento – Tânia Borges foi acusada de utilizar estrutura do Poder Judiciário para favorecer a soltura do filho, Breno, preso em abril de 2017 com drogas e munições em Água Clara. Ele foi levado para um presídio em Três Lagoas.

Tânia teria, segundo a denúncia, pressionado o Judiciário para soltura do filho: ela teria seguido para a cidade no Bolsão com veículo e segurança do TJMS, usado um veículo apreendido em ação por tráfico de drogas para ir da Delegacia Regional de Polícia Civil ao estabelecimento penal e pressionado para o cumprimento de habeas corpus emitido pelo TJ para liberação de Bruno, sem o aval do juiz corregedor de Três Lagoas.

Depois, ainda teria seguido com o filho para Atibaia (SP), onde ele foi internado em uma clínica –ele foi diagnosticado como tendo síndrome de Borderline (um tipo de transtorno mental).



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions