A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

04/02/2009 14:00

Diretor sindical é condenado por assédio sexual e moral

Redação

O TRT (Tribunal Regional do Trabalho) condenou o Sindisesp/MS (Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Mato Grosso do Sul) a pagar indenização á uma ex-funcionária no valor de R$ 50 mil, por assédio moral e sexual.

A decisão assinada pelo juiz Márcio Alexandre da Silva, atendeu ao pedido de danos morais sofridos pela funcionária, que desde 2007 conta que vinha enfrentando problemas na sede do sindicato.

Segundo o advogado de defesa da vítima, Osmário José Pereira da Silva, a secretária era submetida a constrangimentos por conta das investidas do diretor financeiro da entidade, Jurandir Freitas.

Nos autos do processo, testemunhas e a referida ex-funcionária relatam o comportamento do diretor financeiro. "Acariciava os cabelos, ombros, braços e pernas da reclamante, oferecendo lhe vantagens dentro e fora do sindicato".

Testemunhas ouvidas pela Justiça confirmam o assédio e afirmaram ainda que o diretor chegou ainda a trancar a vítima no banheiro contra a vontade dela. Com poder de chefe, depois das tentativas de acariciar a vítima, ele passou a persegui-la quando saia do trabalho.

O comportamento levou a ex-secretária a mudar o horário de saída do trabalho. Cansada das investidas, ela recorreu à ajuda de um advogado, que a orientou a comunicar o fato a direção do sindicato.

"Nós chegamos a protocolar por várias vezes requerimentos pedindo providencias à direção", contou o advogado. Presente a audiência, outro membro da diretoria do Sindesp, o ex-candidato a prefeito de Campo Grande Suel Ferranti, confirmou que a direção tinha conhecimento do comportamento do diretor financeiro. Ele diz que os demais diretores fizeram vista grossa em relação ao problema. "Eu era voto vencido em relação a questão".

A denúncia provocou a demissão da funcionária que diz ter problemas psicológicos e psiquiátricos depois do assédio. Segundo o advogado, a mulher é submetida a tratamento médico. Além da indenização, o sindicato foi condenado a custear todo tratamento e despesas com medicamentos.

Os diretores vão responder representação criminal por ter ignorado a denúncia da vitima.

Mesmo ressaltando que à decisão cabe recurso, o advogado considera uma vitória para qualquer pessoa que também enfrente esse tipo de violência. "Me sinto aliviado com essa decisão. Nós lutamos por muito tempo contra isso".

O diretor financeiro é servidor aposentado do Ibama, e segundo atendentes do sindicato ele está viajando.

Agentes penitenciários pedem aprovação da "tropa de elite" da Agepen
Grupo de aproximadamente 15 agentes penitenciários acompanham a votação de 27 projetos pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, nesta quint...
Governo altera datas de teste físico de concurso da Polícia Civil
Foram alteradas as datas para realização da avaliação de aptidão física dos candidatos que continuam a participar do conurso público para escrivão e ...
Mega-Sena acumula e prêmio no sábado pode chegar a R$ 39 milhões
A Mega-Sena mais uma vez ficou sem vencer na noite desta quarta-feira (13) e, assim, acumulou. O prêmio pode subir para R$ 39 milhões no sorteio do p...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions