A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

04/03/2011 15:55

Família consegue na Justiça direito de tratar dependente químico em SP

Jorge Almoas

A 5ª Turma Cível do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) manteve a decisão de 1ª instância, que dá o direito a um dependente químico de realizar tratamento fora de Mato Grosso do Sul.

A decisão foi mantida depois que os recursos apresentados pelo governo estadual e o município de Campo Grande foram negados pela maioria de votos dos desembargadores.

O dependente químico em questão tem 34 anos, e é dependente químico há 14 anos. Em primeira instância, a família conseguiu o direito de tratar o filho em Bragança Paulista no interior de São Paulo.

Em uma ocasião, o paciente fugiu do Hospital Nosso Lar, em Campo Grande. No recurso apresentado pelo Estado, a fuga do dependente químico não comprova que o tratamento é ineficiente, estando mais ligada ao comportamento da pessoa. Em sua defesa, o Estado justifica que a família dispõe do tratamento no Caps/AD (Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas).

Ainda na justificativa do Estado, a família custeia o tratamento, o que não demonstra urgência ou incapacidade de pagamento do tratamento solicitado, no caso, fora de Mato Grosso do Sul.

“A fuga é uma das características marcantes dos dependentes químicos e demonstra que tal local não é apropriado para o tratamento de casos de dependência química, não sendo um capricho do paciente. Em relação à internação no CPAS/AD, não surtiu muito efeito, pois continua o filho do agravante com a dependência”, disse em seu voto o relator do processo, desembargador Vladmir Abreu da Silva.

Sobre o tempo em que o homem é dependente químico, o que foi usado pelo Estado como argumento para aguardar o julgamento final do processo sem tratamento adequado, a Justiça entendeu que tal argumento é uma negativa na prestação de assistência à saúde, o que é dever do Estado.

Já o desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva, votou dizendo que a internação em Bragança Paulista não é imprescindível, uma vez que em Mato Grosso do Sul há instituições que oferecem tratamento similar.

Responsabilização – No pedido inicial, a família solicitava que o filho fosse considerado livre de responder pelos próprios atos, por ser dependente químico há 14 anos.

A justiça reiterou que, para que fosse considerado incapaz, era preciso a declaração de incapacidade relativa ou absoluta, com a nomeação de curador. O relator citou a Lei Federal nº 10.2016/2001, explicando que, uma vez dependente químico, o adulto não está no normal de suas faculdades mentais, vivendo tão somente em função de sua dependência química.

“A interdição do indivíduo é medida extremada”, votou o relator. Desse modo, o dependente químico continua respondendo pelos atos. O homem já respondeu a processo penal.

Por se tratar de caso envolvendo dependente químico, os nomes não foram divulgados pela assessoria de imprensa do TJ/MS.

Clientes de banco podem renegociar dívidas no "Caminhão do Quita Fácil"
A partir de segunda-feira (18), clientes das agências da Caixa de Campo Grande terão a possibilidade de renegociar suas dívidas atrasadas há mais de ...
Acordo entre poupadores e bancos vai beneficiar 30% dos que entraram na Justiça
Das 10 milhões de pessoas que entraram na Justiça por perdas no rendimento de cadernetas de poupança, apenas cerca de 3 milhões serão beneficiadas, s...


Brasília,16-03-2012.As vezes interditar um dependente químico agrava e expoe a ambiente deplorável..m arrependo de ter interditado meu filho . Com sentença da internação compulsória e para o SES arcar com ônus particular, houve o descumprimento, fiz pedido de prisão do secretário de saúde,mas por omissão de socorro dos bombeiros dois dias depois, meu filho é q foi preso e hoje está num manicônio,
 
Mara Dantas Tonheca em 16/03/2012 06:10:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions