A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

10/04/2010 10:19

HR desrespeita pacto ao parar atendimento psiquiátrico

Redação

Foi irregular a suspensão do atendimento de Psiquiatria do Hospital Regional de Campo Grande, no dia 3 de abril, afirmaram nesta manhã o secretário municipal de Saúde, Leandro Martins, e o coordenador de Saúde Mental do Município, Fábio Paes Barreto. Segundo eles, há um compromisso do Hospital de reativar setor na próxima semana.

As afirmações foram feitas durante a Conferência de Saúde Mental, que está sendo realizada desde ontem, na Uniderp/Anhanguera. Martins e Barreto disseram que para suspender o atendimento o HR deveria, primeiro, ter consultado os componentes do pacto pela saúde no Estado, no caso as secretarias municipal e estadual e o Ministério da Saúde, além dos conselhos de saúde. São os órgãos pactuados que definem o funcionamento da rede pública de saúde, a partir dos recursos recebidos pelo SUS.

Para colocar em prática a desativação do setor, o HR precisa da concordância dos outros integrantes do pacto, afirmou o secretário.

Cogitada já há algum tempo, a suspensão do atendimento ocorreu depois de um incêndio na ala psiquiátrica do HR, que teria sido provocado por um paciente.

As 18 pessoas que estavam no local receberam alta no dia seguinte ao incêndio.

"O HR funciona de forma pactuada e as decisões precisam ser tomadas em conjunto", disse o secretário de Saúde de Campo Grade. Apesar da declaração, ele disse entender o fato de ter havido uma contingência emergencial.

Martins informou que houve uma reunião com representantes da Secretaria Estadual e Municipal e do hospital na quinta-feira e que foi feito o compromisso de retomar o atendimento na semana que vem.

Fechamento arbitrário - O coordenador de Saúde Mental, Fábio Barreto, foi além em sua análise da situação. Afirmou que a decisão do HR foi "arbitrária".

Ele lembrou que o Hospital é um dos poucos onde há vagas para pacientes com dependência química em Campo Grande e alertou para a importância de garantir atendimento a essas pessoas.

Ao falar do alcoolismo como exemplo, citou que em países de primeiro mundo, os pacientes em tratamento chegam a ficar em unidades de terapia intensiva, por causa da gravidade do quadro gerado pela dependência.

Barreto, que é psiquiatra e psicnalista lembrou que a dependência química, de drogas legais e ilegais é uma questão série, de saúde pública.

Em Campo Grande, segundo ele, só a Santa Casa, com 30 leitos, o Hospital Nosso Lar, com 160, e o HR, com 18, oferecem tratamento psiquiátrico pelo SUS, incluindo os casos de dependência química.

Na rede municipal, que tem seis Caps (Centro de Atendimento Psicossocial), só um deles, no bairro Aero Rancho, atende casos emergenciais. Com a suspensão do atendimento no HR, a procura no local já aumentou.

O Campo Grande News tentou localizar o diretor-geral do Hospital Regional nesta manhã, mas ele não atendeu as ligações.

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions