ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 17º

Interior

Ação apreende três toneladas de alimentos impróprios para consumo

Liana Feitosa | 14/07/2015 09:33
A iniciativa foi desenvolvida em supermercados e açougues nos municípios de Dourados, Amambai, Japorã, Naviraí e Itaquiraí. (Foto: Divulgação Decon)
A iniciativa foi desenvolvida em supermercados e açougues nos municípios de Dourados, Amambai, Japorã, Naviraí e Itaquiraí. (Foto: Divulgação Decon)

Ação realizada entre os dias 6 e 10 de julho tirou de circulação 3 toneladas de produtos de origem animal clandestinos que estavam em estabelecimentos comerciais em 5 cidades de Mato Grosso do Sul.

A fiscalização, comandada pela Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo) em conjunto com a Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), Mapa (Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento) e Vigilância Sanitária Estadual, foi executada com o objetivo de combater o trânsito e comércio de produtos alimentícios clandestinos.

A iniciativa foi desenvolvida em supermercados e açougues nos municípios de Dourados, Amambai, Japorã, Naviraí e Itaquiraí.

De acordo com a Decon, foram constatados vários tipos de irregularidades e, por isso, a força tarefa também teve cunho educativo, promovendo a orientação dos responsáveis pelos estabelecimentos fiscalizados quanto à manipulação e armazenamento de gêneros alimentícios.

A ideia é fazer com que os donos de açougues e supermercados cumpram o que determina a legislação sanitária vigente, respeitando assim, a coletividade de consumidores.

Com isso, foram recolhidas 3 toneladas de mercadorias, entre elas produtos de origem animal, vegetal e perecíveis em geral. Esses itens apresentaram diversas irregularidades, como armazenamento inadequado, prazos de validade expirados, temperatura de mercadorias em desconformidade com as normas sanitárias e venda de carne oriunda de abate clandestino.

Produtos eram armazenados inadequadamente, tinham prazo de validade expirado, ou eram resultado de abate clandestino. (Foto: Divulgação Decon)
Produtos eram armazenados inadequadamente, tinham prazo de validade expirado, ou eram resultado de abate clandestino. (Foto: Divulgação Decon)
Nos siga no Google Notícias