ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 24º

Interior

Atirador brasileiro teria matado Rafaat em emboscada com 130 pistoleiros

Ferido, carioca de 34 anos está preso e é apontado como o homem que manuseou armamento antiaéreo em atentado

Paulo Yafusso | 16/06/2016 16:40
O brasileiro Sérgio Lima dos Santos seria o atirador que usou esse fuzil, instalado em uma caminhonete roubada na Argentina. Ele foi baleado e está internado sob escolta em hospital no Paraguai (Foto: Site Capitanbado.com)
O brasileiro Sérgio Lima dos Santos seria o atirador que usou esse fuzil, instalado em uma caminhonete roubada na Argentina. Ele foi baleado e está internado sob escolta em hospital no Paraguai (Foto: Site Capitanbado.com)

A disputa pelo controle do narcotráfico na fronteira com o Paraguai provocou estragos também na quadrilha adversária de Jorge Rafaat Toumani, executado na noite desta quarta-feira (15) com vários tiros de fuzil .50, usado geralmente para abater aeronaves.

De acordo com a Polícia Nacional de Pedro Juan Caballero, fronteira com a cidade sul-mato-grossense de Ponta Porã, a 320 km de Campo Grande, o homem que manuseava a arma que atingiu mortalmente Rafaat é o carioca Sérgio Lima dos Santos, de 34 anos.

Ele está preso e sob escolta da Polícia Nacional. Conforme foi divulgado, Santos deu entrada no hospital da cidade em estado grave.

Ao site Capitanbado.com, o chefe da Ordem e Segurança da Polícia Nacional do Paraguai, comissário Miguel Angel Ayala, disse que Sérgio Lima dos Santos era quem usava o fuzil que matou Rafaat.

A Polícia Nacional do Paraguai informou também que a caminhonete em que estava Sérgio dos Santos está sendo periciado, mas já se sabe que ela foi roubada na Argentina. A Toyota Fortuner SUV, de fabricação argentina, foi preparada para o ataque.

O banco traseiro foi arrancado, para que fosse instalado o fuzil .50 com suporte. As fotos mostram muito sangue, o que demonstra que o atirador foi ferido pelos seguranças de Jorge Rafaat.

Ainda de acordo com a polícia paraguaia, cerca de 100 homens foram contratados e se posicionados ao longo da rua onde Jorge Rafaat sofreu a emboscada. Pelo lado do empresário morto, cerca de 30 homens faziam a sua segurança.

Fontes que não querem se identificar apontam que a morte de Rafaat foi um decisivo capítulo em uma guerra envolvendo o grupo dele e o PCC (Primeiro Comando da Capital). A facção brasileira, que age principalmente dentro de presídios, estaria expandindo negócios na área fronteiriça, sofrendo resistência por parte do concorrente.

Nos siga no Google Notícias