A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Fevereiro de 2017

14/01/2015 07:38

Câmara cria Comissão Processante para julgar 8 vereadores investigados

Viviane Oliveira
A Câmara Municipal ficou lotada durante a sessão para instalação da Comissão Processante. (Foto: Kleber Souza)A Câmara Municipal ficou lotada durante a sessão para instalação da Comissão Processante. (Foto: Kleber Souza)

A Câmara Municipal de Vereadores de Ribas do Rio Pardo, distante 103 quilômetros de Campo Grande, aprovou na noite desta terça-feira (13), por unanimidade a implantação da Comissão Processante para investigar os oitos vereadores afastados durante a Operação Viajantes deflagrada no final do ano passado.

Os parlamentares irão apurar as denúncias de concussão (é o ato de exigir dinheiro ou vantagem em razão da função), peculato e improbidade administrativa. Os investigados podem ter os mandatos cassados. A abertura do processo foi apresentada pelo presidente da comissão provisória, Osmar Nunes Medeiros (PSB).

De acordo com o site Rio Pardo News, a denúncia pede providências referentes as irregularidades na contratação de empresas e no pagamento de diárias a vereadores e funcionários do legislativo. A Casa de Leis estava lotada e a sessão foi marcada por muita tensão. Na lista dos vereadores julgados está o ex-presidente da Câmara, Adalberto Alexandre, o Betinho. Ele é o único que está preso.

Também está na relação o vereador do PSC, Antonino Ângelo da Silva, ex-vice presidente da Câmara, a veterana vereadora do PSDB, Célia Pinto, Cláudio Lins, o vereador mais jovem e mais votado em 2012, Diony Erick, Fabiano Duarte do SSD, Justino Machado Nogueira, vereador pelo PDT e Lucineide Friosi do PSC.

Os membros da Comissão Processante são Douglas de Souza, Sônia Passos e Luis Ribeiro. Os parlamentares tem cinco dias para iniciar os trabalhos e até noventa dias para apresentar o parecer final. Todos os envolvidos deverão ser ouvidos ao longo dos trabalhos.

Operação - De acordo com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), a investigação começou quando a promotoria de Ribas do Rio Pardo recebeu denúncia e provas de que parlamentares estavam solicitando pagamento de diárias, mas sem viajar. Para viagens dentro de Mato Grosso do Sul, era feito pagamento de R$ 750, já para destinos fora do Estado, a diária era de R$ 1.500. Por conta disso, em nove meses foram gastos cerca de R$ 600 mil pela Câmara somente com diárias. 

Além disso o grupo contratava, com a ajuda de cinco servidores que também estão afastados, empresas sem licitação ou por procedimentos licitatórios que não passavam de farsa, para beneficiar empresas de familiares e de amigos dos agentes públicos.

Homem é socorrido em estado grave após ser ferido com cinco facadas
Jovem de 26 anos foi ferido com pelo menos cinco facadas, na madrugada de hoje (26), na Avenida Brasil, no Bairro Centro, em Campo Grande. Genaro Fl...
Homem é preso por comércio ilegal e 216 kg de pescado são apreendidos
Equipes da PMA (Polícia Militar Ambiental) e Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) prenderam em Anastácio - cidade localizada a 1...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions