ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SÁBADO  08    CAMPO GRANDE 20º

Interior

Golpistas são presos por enganar comerciantes de Aquidauana com cheques falsos

Por João Humberto | 31/12/2010 20:17
A dupla de estelionatários inventou até mesmo uma firma fantasma para poder aplicar os golpes. (Foto: Divulgação).
A dupla de estelionatários inventou até mesmo uma firma fantasma para poder aplicar os golpes. (Foto: Divulgação).

Na manhã desta sexta-feira, por volta das 11h40, a PM (Polícia Militar) de Aquidauana prendeu os estelionatários Ediel da Silva Silveiro, 23, e Edvaldo dos Santos Bezerra, 23, por praticar crimes de estelionato contra o comércio da cidade, quando davam cheques em nome de uma empresa fantasma de Ivinhema.

Segundo a polícia, os criminosos realizavam compras no comércio local usando as lâminas da cheques da empresa que não existe. Ediel foi preso primeiro, no Shopping Barrakech, numa loja de brinquedos.

O rapaz confessou ter efetuado compras com cheques falsos em vários estabelecimentos comerciais do shopping. Ele também disse que era funcionário da empresa, mas após algumas indagações e contradições, acabou informando os golpes e delatou Edvaldo.

O outro golpista foi detido em sua residência e também confessou ter praticado crimes de estelionato usando os cheques falsos. Edvaldo ainda relatou que tinha achado os cheques na rua.

Em poder de Edvaldo, a polícia apreendeu uma caixa de som para celular e um celular. Já com Ediel havia três aparelhos celulares, um aparelho de vídeo game, talão de cheques contendo nove lâminas em nome da falsa empresa e uma lâmina de cheque no valor de R$ 50 reais do Banco Bradesco, em nome da mesma firma.

Ao consultar a agência bancária de Ivinhema, um dos comerciantes de Aquidauana descobriu que a firma não existia. Por isso, Ediel e Edvaldo foram presos.

Depois de suas prisões, outros comerciantes apresentaram lâminas de cheques falsos em nome da falsa empresa. Em uma das compras Ediel tinha apresentado documento pessoal em nome de Ademir de Almeida, só que o comerciante escreveu os dados no verso da lâmina do cheque, caracterizando assim o crime de falsidade ideológica.

Na hora em que foi preso, Ediel estava com um CPF falso. Ele também tinha em seu poder uma motocicleta Honda Biz, que foi encaminhada ao Detran (Departamento Estadual de Trânsito), pelo fato de ele não ter apresentado os documentos de porte obrigatório.

Ediel e Edvaldo foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil de Aquidauana, juntamente com os objetos comprados e os cheques falsos.