A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

05/02/2015 22:59

Projeto em Rio Verde atenderá mulheres agredidas e também os agressores

Daniel Machado

Um dia após a inauguração em Campo Grande da Casa da Mulher Brasileira, foi a vez do município de Rio Verde de Mato Grosso, MS, lançar seu programa de prevenção e combate à violência contra a mulher. Nesta quarta-feira (4), a prefeitura, o poder judiciário local e o Ministério Público Estadual apresentou o projeto “Paralelas – Traçando Novos Caminhos”.

O objetivo é criar um espaço que possibilite aos homens, autores de violência doméstica, pensar em seus atos de maneira reflexiva, permitindo a mudança de comportamento agressivo e transformando a família.

O projeto, inédito no Estado, pretende inovar ao não dar foco somente à mulher, vítima de violência, mas também ao agressor, permitindo, por meio de cursos e palestras com psicólogos e assistentes sociais, que o homem tenha uma nova oportunidade de convívio saudável com a mulher, não voltando a agredi-la.

O juiz da Comarca de Rio Verde de MT, Rafael Gustavo Mateucci Cassia, disse que o projeto terá três frentes, um grupo de apoio à vítima e dois de atendimento ao agressor. O grupo de mulheres ofendidas ocorrerá semanalmente e tem o objetivo de resgatar a auto-estima e a dignidade da vítima. Já os grupos dos agressores serão divididos conforme a fase do processo.

Quando já houver uma medida protetiva, o juiz determinará a participação em um único encontro. Quando o agressor for sentenciado e estiver na fase de execução da pena, ele terá que participar de 11 encontros para a reflexão do ato e, no fim, participar de um último encontro para avaliação do trabalho.

Segundo o magistrado, a Lei de Execução Penal prevê que o juiz poderá determinar o comparecimento obrigatório do agressor em programas de recuperação e reeducação. “É esse programa que nós estamos criando agora. A partir de hoje eu posso determinar o cumprimento desta medida que é obrigatória. Caso o agressor não compareça aos cursos, poderá ter a regressão de regime e terá que cumprir medidas mais graves, pois ele descumpriu a sua pena”, explica o juiz.

Para a promotora pública da comarca, Fernanda Proença de Azambuja, a necessidade deste projeto se deu com o que acontece no cotidiano da cidade, que tem casos alarmantes de violência doméstica. “O grande desafio é conseguir a adesão da mulher, para que ela busque ajuda para romper com este ciclo de violência”.

Menino de 8 anos fica ferido ao ser atingido por tiro de espingarda
Um menino de oito anos ficou ferido ao ser atingido por um tiro de espingarda na perna direita. A arma seria do pai da criança e o caso aconteceu na ...
Mulher se vinga de marido e o atinge com golpes de facão na cabeça
Um homem que não teve nome nem idade divulgados, ficou ferido ao ser esfaqueado na cabeça pela mulher, de 54 anos. Ela alegou que estava cansada de b...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions