ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Sem verba, hospital diz respeitar direito de mães sobre cesárea

Cirurgias são providas por emendas e retornaram após 5 anos "para garantir conforto", afirma assessoria

Por Gustavo Bonotto e Natália Olliver | 01/03/2024 22:21
Fachada do Hospital Dona Elmíria Silvério Barbosa, em Sidrolândia. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Fachada do Hospital Dona Elmíria Silvério Barbosa, em Sidrolândia. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Em resposta à reportagem veiculada nesta sexta-feira (1º), a assessoria jurídica do Hospital Beneficente Dona Elmíria Silvério, situado no município de Sidrolândia, informou que não pode custear os profissionais e por isso teve que fechar o centro responsável pelos partos normais em maio de 2023.

Na nota, a administração explica que encaminhou diversos ofícios para a gestão municipal solicitando auxílio financeiro para o custeio de tal equipe, mas nunca obteve retorno.

"Inicialmente, pontuamos que o fechamento do CPN (Centro de Parto Normal) se deu em cumprimento de decisão judicial em ação civil proposta pelo Ministério Público no ano de 2020, em razão de o Hospital não possuir equipe de retaguarda composta por um médico pediatra, anestesista e ginecologista por 24 horas durante todos os dias da semana", destaca o texto enviado ao Campo Grande News.

Quanto às cirurgias de parto cesáreas ofertadas, o hospital diz proporcionar mais conforto às mulheres que normalmente seriam transferidas para Campo Grande.

"Essas cirurgias estão acontecendo apenas por três dias durante a semana, haja vista que estão sendo custeadas exclusivamente por emendas parlamentares federais. As cirurgias cesarianas estão cumprindo todos os protocolos médicos e realizadas apenas quando houver indicação, sempre respeitando o direito de escolha das mulheres", explica a assessoria.

Por fim, a administração relatou que, até o presente momento, não tem conhecimento de questionamentos formais feitos pela Defensoria Pública acerca das cirurgias.

Enfermeira encaminha paciente para 1ª cesariana de Sidrolândia após hiato de 5 anos. (Foto: Reprodução/Instagram)
Enfermeira encaminha paciente para 1ª cesariana de Sidrolândia após hiato de 5 anos. (Foto: Reprodução/Instagram)

Entenda o caso - O assunto veio à tona após a unidade hospitalar ter postado um vídeo nas redes sociais onde comemora a primeira cesariana feita no local depois de cinco anos de hiato. Foi criado até o projeto “Cesáreas eletivas em pacientes de baixo risco",  que gerou polêmica, por estimular o tipo de procedimento que normas internacionais mandam realizar apenas em situação extrema.

Segundo a secretária municipal de saúde, Elaine Brito, o hospital atendia gestantes de baixo risco e seguia as normativas da Rede Cegonha. “Esse serviço tinha financiamento do Ministério da Saúde, Estado e município. O serviço estava estruturado dentro de regras, normas e protocolos rígidos de cuidado entre a mulher e o bebê. O município buscou de todas as formas meio para que a entidade entendesse a importância e mantivesse o serviço, mas infelizmente não conseguimos avançar”.

A ADOMS (Associação de Doulas de Mato Grosso do Sul) emitiu uma nota de repúdio, onde explica que o hospital de referência, não cumpriu com a decisão judicial que exigia a contratação de uma equipe formada por obstetra, anestesista, ginecologista e pediatra, para atuar nos casos de emergência com as parturientes e/ou recém-nascidos. Segundo a associação, esse foi um dos motivos para o fechamento. Hoje, segundo anunciado no vídeo, o hospital dispõe do efetivo para cesarianas.

”O hospital ainda alega que as pacientes de baixo risco têm indicação para a cirurgia eletiva, sendo que as indicações anteparto deste procedimento são muito restritas e ligadas à condições de risco iminente à saúde materna e fetal, portanto, nos perguntamos: quais são essas indicações para cirurgias eletivas em mulheres com gestações de risco habitual?”, questionou.

Receba as principais notícias do Estado pelo celular. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News no WhatsApp e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias