ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Falta de anestesista no interior faz bebê nascer em BR, rumo à Capital

Os pais, moradores de Ribas do Rio Pardo, reclamam também de longa espera por ambulância

Por Cassia Modena | 08/02/2024 12:26
Menino e mãe estão bem, mas família reclama de sufoco durante transferência de hospitais (Foto: arquivo da família)
Menino e mãe estão bem, mas família reclama de sufoco durante transferência de hospitais (Foto: arquivo da família)

Já mãe de dois filhos, a dona de casa Gisele de Souza Soares acabou ganhando o terceiro em um parto feito na BR-262, na noite de ontem (7). A gestação havia chegado ao nono mês no dia anterior.

Embora ela e o bebê passem bem agora, as horas anteriores ao nascimento foram um sufoco para a família. Gisele mora com o marido e pai da criança, Raphael de França, em Ribas do Rio Pardo. Chegou ao Hospital Municipal sentindo dor e teve que esperar mais de uma hora até conseguir ir de ambulância para Campo Grande.

Raphael relata que a transferência para a Capital foi solicitada porque não havia anestesista para participar do parto em Ribas do Rio Pardo. "Tem só um que vem de Campo Grande para cá na segunda, quarta e sexta-feira. Nos outros dias, não tem", diz.

Dentro da ambulância onde bebê nasceu, faltando 20 minutos para chegar à Capital (Foto: arquivo da família)
Dentro da ambulância onde bebê nasceu, faltando 20 minutos para chegar à Capital (Foto: arquivo da família)

O pior, segundo o pai, foi a espera de mais de uma hora para a ambulância chegar e sair do Hospital Municipal. "Ficaram enrolando muito para sair, esperando os funcionários chegarem das casas deles e irem até o hospital", disse.

A tensão começou no domingo (4), quando Gisele procurou o hospital por estar sentindo contrações. "Ela teve um sangramento e estava com dois dedos de dilatação. Falaram para voltar para casa. A médica explicou que não dava para fazer cesariana com laqueadura depois, como a gente queria, porque não era cirurgia de emergência e não tinha indicação", descreve ainda Raphael.

Justificativas - O Campo Grande News questionou a assessoria de imprensa da Prefeitura de Ribas do Rio Pardo, que é responsável pelo Hospital Municipal, sobre falta de anestesista e a demora para transferência. Em nota, esclareceu que o parto natural poderia ter sido realizado na instituição, mas que a paciente optou pela cesariana e laqueadura. Por isso, foi solicitada a transferência para Campo Grande.

Quanto ao tempo de espera para o transporte, justificou que foi necessário esperar a liberação de vaga no sistema regulador estadual. "A alegada demora é em decorrência do Complexo Regulador Estadual, cujo tempo é de responsabilidade do referido", disse.

Já em relação à falta de anestesista em quatro dias da semana no hospital, a prefeitura não se manifestou.

*Matéria editada às 11h32 para acrescentar nota da assessoria de imprensa da Prefeitura de Ribas do Rio Pardo.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias