ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 13º

Interior

Servidor é investigado por vender lotes em cemitério municipal

Crime de peculato estava sendo cometido desde 2019 e cada terreno era vendido a cerca de R$ 500

Ana Paula Chuva e Bruna Marques | 15/02/2023 14:18
Delegado Caio Goto e investigador na sala da administração do cemitério. (Foto: Divulgação | PCMS)
Delegado Caio Goto e investigador na sala da administração do cemitério. (Foto: Divulgação | PCMS)

Servidor municipal, que não teve o nome divulgado, foi alvo de mandado de busca e apreensão nesta quinta-feira (15), durante a operação “Descanse em Paz”, deflagrada pela Delegacia Regional e 1ª Delegacia de Polícia Civil de Bataguassu. Ele é investigado por vender lotes em cemitério público na cidade que fica a 313 quilômetros de Campo Grande.

Conforme apurado pelo Campo Grande News, cada lote era vendido por aproximadamente R$ 500 e o crime era praticado desde 2019. O servidor era responsável pela administração do Cemitério Municipal de Bataguassu e passou a ser investigado após denúncias.

As vítimas que fizeram a aquisição dos terrenos foram localizadas por policiais do SIG (Setor de Investigações Gerais) e relataram que haviam pago os valores em espécie diretamente ao servidor. Foi feita a análise dos recolhimentos aos cofres públicos e ficou constatado que os pagamentos não haviam sido efetivamente arrecadados.

Equipe da 1ª Delegacia de Bataguassu analisando documentos no cemitério. (Foto: Divulgação | PCMS)
Equipe da 1ª Delegacia de Bataguassu analisando documentos no cemitério. (Foto: Divulgação | PCMS)

O servidor passou a ser investigado e nesta quinta-feira, equipes da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Bataguassu e do SIG fizeram buscas na sala administrativa do Cemitério Municipal e na casa do suspeito, onde foram apreendidos um computador, um celular, pen drive e documentos que irão auxiliar nas investigações.

A operação foi comandada pelos delegados Caio Henrique de Mello Goto e Daniel Wollz Marques, que pedem ainda que caso alguém tenha adquirido terreno e pago em espécie para o servidor ,que compareça na 1ª Delegacia da cidade com a certidão de propriedade.

Computador e documentos sendo colocados na viatura. (Foto: Divulgação | PCMS)
Computador e documentos sendo colocados na viatura. (Foto: Divulgação | PCMS)


Nos siga no Google Notícias