A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

26/05/2015 14:39

Servidores do HU e da UFGD aprovam greve a partir de sexta-feira

Paralisação foi aprovada nesta terça-feira por representantes de pelo menos 950 funcionários da maior universidade do interior de MS

Helio de Freitas
Técnicos administrativos da UFGD e do HU de Dourados durante assembleia que aprovou greve a partir de sexta-feira (Foto: Eliel Oliveira)Técnicos administrativos da UFGD e do HU de Dourados durante assembleia que aprovou greve a partir de sexta-feira (Foto: Eliel Oliveira)

Os técnicos administrativos da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) e do HU (Hospital Universitário) de Dourados, segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul, vão entrar em greve na sexta-feira, dia 29. A paralisação faz parte de movimento nacional e foi aprovada em assembleia na manhã desta terça-feira em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

As principais reivindicações da categoria são reposição salarial de 27,3%, redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais sem diminuição de salário, suspensão dos cortes orçamentos das instituições de ensino, fim da terceirização e melhoria de outros benefícios, como auxílio-alimentação.

Médicos e enfermeiros – De acordo com o coordenador geral do Sintef (Sindicato dos Trabalhadores em Educação das Instituições Federais), Cleiton Rodrigues de Almeida, são pelo menos 950 servidores quem podem aderir à paralisação. Entre eles estão todos os funcionários dos setores administrativos da universidade e do hospital e profissionais de nível superior, como médicos e enfermeiros.

A paralisação aprovada hoje não inclui os cerca de 300 servidores do HU contratados pela Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) e os docentes da UFGD. Entretanto, essas duas categorias também podem entrar em greve nos próximos dias. Os professores fazem assembleia hoje à tarde.

Sem avanço – Cleiton de Almeida informou ao Campo Grande News que a negociação é feita pelo comando nacional de greve e pela federação dos servidores diretamente com os ministérios da Educação e do Planejamento. “Já ocorreram várias reuniões, mas até agora não existe nenhuma proposta concreta por parte do governo”.

Segundo o sindicalista, no Hospital Universitário apenas os serviços essenciais, como atendimento aos pacientes internados, não serão afetados pela greve. Na UFGD, apenas setores como o de pagamento de contas, continuarão funcionado durante a paralisação.

A greve dos técnicos administrativos não afeta diretamente os cursos superiores da UFGD, mas, segundo Cleiton Almeida, prejudica a qualidade das aulas, já que o pessoal que oferece suporte aos docentes estarão em greve.

Professores de instituições federais de ensino devem entrar em greve na 5ª feira
Os servidores adminstrativos docentes nas instituições federais de ensino superior do país devem também entram em greve a partir de quinta-feira (28)...
Suspeito de estuprar enteada de 4 anos é preso no interior de MS
Um homem de 41 anos foi preso pelo estupro da enteada, de 4 anos, nesta segunda-feira (20) em Antônio João - a 279 quilômetros de Campo Grande. O abu...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions