A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

18/03/2015 09:28

Tribunal de Justiça mantém prefeito afastado por fraudes na merenda

Liana Feitosa

O TJ/MS (Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul) manteve o afastamento do prefeito de Cassilândia, cidade a 418 quilômetros de Campo Grande. Carlos Augusto da Silva (DEM) é suspeito de cometer improbidade administrativa e, por isso, é réu em diversas ações civis movidas pelo MPE/MS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul).

A decisão do TJ/MS foi divulgada nesta terça-feira (17) nos autos de agravo de instrumento, por unanimidade e com o parecer. No caso da ação civil por atos de improbidade administrativa, a investigação do MPE revelou fraude na execução de vários contratos administrativos de fornecimento de produtos.

Segundo o Ministério Público, os materiais apresentaram valor e qualidade significativamente inferiores ao que foi contratado e pago pelo município. Perícias e provas mostraram que produtos fornecidos à rede municipal de educação, para a merenda escolar de 2011 a 2014, tinham qualidade muito inferior em qualidade e valor em relação àqueles pagos pela administração pública.

Preferência - Ainda de acordo com os autos da ação civil, a prefeitura desprezou empresa vencedora de licitação para beneficiar uma empresa que comprovadamente fraudava a execução dos contratos.

Também ficou nítida a existência de fraude na constituição dessa empresa, também ré, com o objetivo de preservar pessoa condenada por crimes contra a administração pública e improbidade administrativa que, portanto, deveria estar impedida de contratar com o poder público.

A movimentação financeira desta empresa aponta para diferenças entre a entrada de recursos públicos - quantia maior - e a aquisição de produtos junto a fornecedores que pudessem justificar vendas ao poder público.

Por causa de fortes indícios de que, se mantido no cargo, o prefeito Carlos Augusto da Silva poderia criar obstáculos à produção das provas, uma vez que que ele já teria intimidado testemunhas e omitido informações pedidas, a magistrada determinou o afastamento temporário dele do cargo, assim como o sequestro dos bens móveis e imóveis.

Defesa - Ao Campo Grande News, o prefeito afastado se defendeu dizendo que "não deve nada disso". "Fui afastado para investigação, nunca tive intenção de atrapalhar nenhuma investigação", afirmou. "Tenho a consciência tranquila e estou à disposição da justiça", finalizou.

Homem é morto com quatro tiros por dupla em motocicleta
Homem de 51 anos foi assassinado com pelo menos quatro tiros, na noite desta terça-feira (19), por volta das 19h30, em frente a sua residência, local...
Analista do TJMS é denunciada por esquema de falsificação de documentos
Seis pessoas incluindo uma analista jurídica da 4ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul foram denunciados pelo MPF (Ministério Púb...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions