A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Janeiro de 2018

26/01/2011 10:00

Juiz refugiado quer trazer família para MS

Paulo Fernandes

Luiz Hernando Tapia concedeu entrevista ao Campo Grande News.

Juiz Luiz Hernando Tapia Pachi está procurando trabalho para se manter no Brasil (foto: Sofia Krause/Veja.com)Juiz Luiz Hernando Tapia Pachi está procurando trabalho para se manter no Brasil (foto: Sofia Krause/Veja.com)

Apesar de ter o desejo de um dia voltar para a Bolívia, o juiz boliviano refugiado em Mato Grosso do Sul, Luiz Hernando Tapia Pachi, de 54 anos, está procurando trabalho para se manter no Brasil e trazer a família, que tem sofrido ameaças em Santa Cruz de la Sierra.

Ele afirmou que quer trabalhar na área jurídica, em algo relacionado com a carreira de magistrado. “Primeiro eu procuro me estabilizar e depois eu penso em trazer a minha família”, contou em entrevista ao Campo Grande News.

Ele disse que ainda não está trabalhando porque precisava da decisão do Conare (Comitê Nacional para os Refugiados, vinculado ao Ministério da Justiça) para ter a situação regularizada, o que aconteceu recentemente.

Apesar da falta de trabalho, o juiz refugiado disse que não está passando por dificuldades. “Estou um pouco mais tranquilo. Estou recebendo o apoio de pessoas brasileiras. São boa gente”.

Luiz Hernando Tapia Pachia diz que não anda com seguranças e que o principal cuidado que tem tomado é o de não revelar a sua localização exata. Ele recebeu orientações da Polícia Federal sobre os cuidados que deve tomar.

 Juiz refugiado quer trazer família para MS

O juiz fugiu da Bolívia em junho, alegando ser vítima de perseguição por parte do governo de Evo Morales. Ele procurou a Subseccional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Corumbá para pedir refúgio.

Hoje, Luiz Hernando Tapia Pachi disse que tem recebido “apoio moral” da Ordem dos Advogados. Ele estava designado para conduzir o processo sobre a morte de três estrangeiros em uma operação da polícia boliviana.

Para o governo, o trio fazia parte de um complô para assassinar Morales e declarar a independência do departamento de Santa Cruz.

O juiz diz que começou a sofrer perseguições quando se opôs à transferência do caso para La Paz.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions