A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

26/05/2016 10:32

Risco de microcefalia em fetos varia entre 1% e 13%, mostra estudo

Agência Brasil

Um feto infetado com o vírus Zika corre um risco de desenvolver microcefalia entre 1% e 13% durante o primeiro trimestre de gravidez, segundo um estudo publicado nessa quarta-feira (25) na revista New England Journal of Medicine.

Os investigadores dos centros norte-americanos de Controle de Doenças chegaram a esta estimativa criando um modelo matemático baseado em estatísticas de infeções pelo vírus Zika e de casos de microcefalia na Polinésia francesa, que sofreu um surto em 2013, bem como no estado da Bahia no Brasil.

Esta malformação congênita irreversível, habitualmente rara, resulta em bebês que nascem com o crânio anormalmente pequeno e apresentam desenvolvimento cerebral incompleto.

Normalmente, a microcefalia é rara, verificando-se em 0,02% a 0,12% dos nascimentos nos Estados Unidos. A frequência de outras malformações de nascença mais habituais, como a trissomia 21, é inferior a 1%.

Essa é a primeira estimativa de risco de microcefalia em fetos de mulheres que foram infetadas durante a atual epidemia. Os investigadores dos centros de controlo de doenças e da Universidade de Harvard determinaram que há uma relação muito forte de causa-efeito entre uma infecção pelo vírus Zika durante o primeiro trimestre da gravidez e o risco de microcefalia no feto, que se torna irrelevante no segundo e terceiro trimestres de gestação.

O Brasil, onde o Zika é majoritariamente transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, é o país, até o momento, mais afetado pelos casos de microcefalia, mas o cenário poderá repetir-se em outros locais.

“Se o risco de infeção pelo Zika nas mulheres grávidas e de microcefalia nos fetos que carregam é semelhante noutras zonas geográficas onde o vírus ainda não está propagado, podemos esperar muitos casos de microcefalia e outros efeitos cerebrais nefastos”, afirma o estudo.

No Brasil, há registo de cerca de 3,6 mil grávidas infectadas pelo Zika desde janeiro. Desde o início da epidemia, em 2015, contam-se mais de 1,4 mil casos de microcefalia e de outros problemas neurológicos confirmados.

(da Agência Lusa)

Instituto confirma Aedes aegypti como único vetor do vírus zika
Pesquisa do IOC (Instituto Oswaldo Cruz) encontrou, pela primeira vez, mosquitos Aedes aegypti infectados pelo vírus zika na natureza. Outras espécie...
Proliferação do Zika é resultado da política dos anos 70 contra o Aedes, diz OMS
A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, afirmou hoje (23) que a proliferação do vírus Zika, o ressurgimento da dengue ...
Vacina contra a zika estará disponível para testes em novembro
O Ministério da Saúde divulgou na tarde desta sexta-feira, 20, que a vacina para Zika estará disponível para os testes pré-clinicos (em primatas e ca...
Alunas vão apresentar no Ceará aplicativo que mapeia casos de dengue e zika
Duas estudantes do ensino médio em Campo Grande vão participar nesta terça-feira (17) de uma Feira de Ciências e Tecnologia em Fortaleza (CE). Zara H...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions