A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 16 de Dezembro de 2018

26/02/2014 14:54

STJ mantém ação penal por peculato contra ex-diretor do Detran/MS

Edivaldo Bitencourt

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) manteve a ação penal por peculato-desvio e dispensa indevida de licitação contra o ex-diretor-presidente do Detran/MS (Departamento Estadual de Trânsito) e ex-deputado federal Dagoberto Nogueira Filho. Ele é acusado de contratar, sem licitação em 1999 a empresa S & I Serviços e Informática para efetivar a arrecadação de algumas taxas do órgão, incluindo-se o DPVAT (seguro obrigatório).

Ele pediu para queria trancar a ação penal porque os crimes estavam prescritos. No entanto, a 6ª Turma do STJ manteve o julgamento da ação.

Dagoberto e mais quatro também foram denunciados pelos crimes de operação irregular de instituição financeira e formação de quadrilha. No entanto, nesses casos, houve prescrição.

Histórico – Em 1999, o Banco do Brasil retirou três postos de arrecadação de atendimento no Detran. No entanto, continuou recebendo as guias do órgão nas agências bancárias.

O Ministério Público alega que a retirada dos postos não comprometeu a arrecadação e não foi necessária a contratação da empresa de informática sem licitação.

Segundo a defesa de Dagoberto, houve prescrição dos crimes de dispensa de licitação, formação de quadrilha e operação irregular de instituição financeira. No entanto, o pedido foi negado pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região. Também alegou falta de provas quanto ao crime de peculato.

De acordo com a ministra Assusete Magalhães, a suposta participação do ex-diretor no crime de operação irregular de instituição financeira teve início com a transferência da responsabilidade da arrecadação de valores a entidade de natureza não bancária, e cessou com a sua exoneração do cargo de diretor-geral. Dagoberto foi exonerado em 2002 e a denúncia foi recebida no dia 22 de junho de 2011, mais de oito anos depois. O mesmo cálculo contemplou o ex-diretor-geral no caso de crime de formação de quadrilha.

Quanto aos crimes não prescritos – dispensa indevida de licitação e peculato-desvio –, a ministra disse que a denúncia descreveu as condutas supostamente praticadas pelo ex-diretor, “com os elementos indispensáveis à configuração da existência dos delitos e dos indícios da autoria, necessários à deflagração da persecução penal”.

E ela frisou que só a continuidade da ação poderá esclarecer se houve ou não os crimes.

Ministério da Saúde faz alerta para vacinação em período de férias
Ministério da Saúde faz um alerta aos viajantes neste fim de ano: manter a caderneta de vacinação atualizada é fundamental para ter uma viagem saudáv...
Ninguém acerta e Mega-Sena pode pagar R$ 48 milhões na terça-feira
A Mega-Sena acumulou mais uma vez e agora pode pagar R$ 48 milhões caso alguém acerte as seis dezenas que serão sorteadas na próxima terça-feira (18)...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions