A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

27/08/2011 13:41

Taxistas preferem não registrar ocorrências de assalto para evitar a burocracia

Marco Antonio Brito
Argemiro, Carlos Costa e João Antonio: muitos assaltos não são registrados pelos taxistas. (Foto: João Garrigó)Argemiro, Carlos Costa e João Antonio: muitos assaltos não são registrados pelos taxistas. (Foto: João Garrigó)

Muitas ocorrências envolvendo assalto a taxistas da capital não são registradas por conta da burocracia nas delegacias de polícia. A queixa é dos próprios taxistas que preferem "deixar pra lá" a "perder tempo registrando a ocorrência".

"Ás vezes você perde a noite e as corridas para ficar numa delegacia registrando um assalto de 100, 150 reais", conta João Antonio de Lima, taxista há 25 anos. Preocupado com a falta de segurança, ele afirma que muitas vezes os colegas de profissão preferem "ficar no prejuízo" a enfrentar a burocracia.

Argemiro de Oliveira, que é taxista há 30 anos, compartilha do mesmo pensamento. Embora afirme nunca ter sido assalto, ele lembra que já "se livrou" de alguns perigos, algumas vezes.

O taxista aposentado Carlos Roberto da Costa, que exerceu a profissão por 35 anos, também reclama da falta de segurança para a categoria e corrobora com os colegas quando estes dizem que preferem não fazer o registro de um assalto.

Em média, segundo os taxistas, ocorrem de 15 a 20 assaltos por mês na capital, nos quais as vítimas são motoristas de taxi. "À noite e em dias de shows o perigo é maior", destaca Carlos Roberto Costa.

Foi depois de um show no Estádio Morenão, na sexta-feira (26), que o taxista Daniel Manoel Dudu, de 50 anos, morreu após ter sido atingido por dois tiros na cabeça, disparados por um dos passageiros que estava em seu taxi.



O QUE O SECRETARIO DE SEGURANÇA TEM QUE FAZER, E COLOCAR NA CABEÇA DE CERTOS AGENTES POLICIAIS CIVIL, QUE ELE E FUNCIONARIO DA POPULAÇAO, POS O SALARIO DELE VEM DOS IMPOSTO DO POVO, E QUE ELE ESTA NAQUELA FUNÇAO PARA ATENDER O POVO, E MAIS COM RESPEITO, NAO COM AQUELA CARA FEIA, COM AS ARMAS A MOSTRA, INTIMIDANDO QUEM PENSA EM IR NA DELEGACIA, EU NAO SEI ONDE ESTA ESCRITO QUE POLICIAL NAO PODE SER EDUCADO GENTIL, TRATAR AS PESSOAS PELO MENOS COM RESPEITO, E DAR AS INFORMAÇOES SOLICITADAS, POR ISSO A MAIORIA DAS PESSOAS TEM RESTRIÇOES EM IR NUMA DELEGACIA.E CLARO QUE NEM TODOS SAO MAL EDUCADOS, MAS POR ALGUNS A MAIORIA PAGA.
 
luiz fernandes em 29/08/2011 08:28:15
A importância de se registrar um boletim de ocorrência em delegacia, não só o simples fato de documentar o caso. Acontece que muitas vezes quando se prende um suspeito de roubo, se não houver provas contra ele através de reconhecimento e boletim registrado, fica quase impossível deixa-lo preso, pois não tem como responsabiliza-lo por algo que não se tem provas. A burocracia existe sim, o sistema é falho, mas muitas vezes podemos atribuir muito mais crimes a um suspeito preso e fazer com que a pena dele dobre e fique mais tempo respondendo por cada ato. Façam o boletim de ocorrência pois é importante para salvaguardar o interesse particular. Sobre o episódio com o taxista, infelizmente é uma fatalidade, e como sempre são os menores que atuam nessas ocorrências. Há quem defenda a maior idade penal, mas o estado não tem nem controle dos maiores que ja estão presos!!!!! É uma questão complicada!
 
carlos alberto em 27/08/2011 04:16:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions