ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUARTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Compartilhando Justiça

Renda mensal dos benefícios de aposentadoria após a reforma

Dra Rosemar Moreira | 19/08/2020 13:30
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Com a famosa reforma previdenciária que movimentou comentários durantes meses, foram fixadas significativas mudanças na forma de cálculo dos benefícios previdenciários, instituídos com o advento da Emenda Constitucional 103/2019.

Anteriormente à reforma, os cálculos dos benefícios previdenciários do RGPS eram realizados considerando os 80% maiores salários de contribuição a partir do Plano Real (competência 07/1994), exceto os salário família e maternidade, que possuem outra sistemática de cálculo.

No caso dos servidores federais era observada uma sistemática similar desde a EC 41/2003 para o cálculo das aposentadorias e pensões, ressalvados os beneficiários da integralidade em regras de transição.

Atualmente, com o advento da Emenda 103/2019, a forma de cálculo foi modificada resguardado o direito adquirido para os beneficiários que implementaram todos os requisitos até o dia 13/11/2019 (data da publicação da Emenda).

Todavia, esse novo regramento será inicialmente aplicado aos segurados do RGPS e aos servidores públicos federais, tendo em vista que a extensão aos Estados, Distrito Federal e Municípios dependerá de incorporação na legislação local, se houver.

Assim, até que haja lei ordinária para os servidores federais, o cálculo dos benefícios destes servidores será feito pela média aritmética simples de 100% do período contributivo desde a competência julho de 1994 ou desde o início das contribuições, se posterior àquela competência, não se aplicando mais a média aritmética simples dos 80% maiores salários de benefícios.

O valor do benefício de aposentadoria corresponderá a 60% (sessenta por cento) da média aritmética das 100% remunerações/salários de contribuição desde julho de 1994, com acréscimo de 2% para cada ano que ultrapassar os 20 anos de contribuição para homens e mulheres. No caso dos segurados do RGPS existe uma regra diferenciada de cálculo da renda mensal que prevê a progressão a contar de 15 anos e não de 20 anos de contribuição.

­Desta forma, em regra, a aposentadoria do servidor público federal e dos segurados do Regime Geral de Previdência Social variará de 60% a 100% da média de todas as remunerações desde 07/1994.

No caso de servidor público que aposentará na forma compulsória e que ainda não tenha preenchido os requisitos para a aposentadora voluntária, o cálculo será realizado com base no tempo de contribuição dividido por vinte anos, multiplicado pelo valor correspondente a 60% do valor da média aritmética.

Nesse sentido, se um servidor público federal se aposentar de modo compulsório aos 75 anos de idade e tenha 10 anos de contribuição, é necessário dividir 10 por 20, chegando  ½  de 60%, ou seja, aposentará com proventos à razão de 30% da média de todas as remunerações desde julho de 1994, assegurado ao menos o salário mínimo de renda mensal.

No entanto, existem algumas exceções, como no caso de aposentadoria por incapacidade permanente dos servidores federais e dos segurados do RGPS, quando decorrer de acidente de trabalho, de doença profissional e de doença do trabalho, os proventos corresponderão a 100% da média de todas as remunerações.

Outrossim, a emenda 103/2019 dispõe de regras de transição que ainda garantem ao servidor proventos integrais para quem ingressou no serviço público a partir de 01.01.2004, ou mesmo com integralidade para quem ingressou no serviço público até 31.12.2003, desde que preenchidos os requisitos de tempo e idade específicos.

Uma outra exceção à forma de cálculo advinda com a emenda é quando o segurado preenche o requisito da regra de transição de 28 (vinte e oito) anos de contribuição, se mulher, e 33 (trinta e três) anos de contribuição, se homem, na data de publicação da emenda (13.11.2019). Nesse caso, para quem já estava próximo a se aposentar o cálculo do benefício continua sendo 100% da média aritmética e não 60%.

Outro ponto importante a ser registrado é que existindo remunerações muito baixas, estas poderão ser excluídas da média das contribuições que resultem em redução do valor do benefício, desde que mantido o tempo mínimo exigido, vedada a utilização do tempo excluído para qualquer finalidade.

Enfim, salvo as exceções descritas acima, os salários de contribuição das aposentadorias terão como base 60% de 100% dos salários de contribuição de todo o período contributivo desde julho de 1994, acrescido de 2% para cada ano superior a 20 anos de contribuição, como exceção no caso das mulheres seguradas do RGPS que a progressão será a partir de 15 anos.

Dra Rosemar Moreira - Advogada (foto: Arquivo pessoal)
Dra Rosemar Moreira - Advogada (foto: Arquivo pessoal)

Rosemar Moreira da Silva
Advogada atuante na Carteira Previdenciária do Escritório de Advocacia Lima, Pegolo e Brito. Especialista em Direito Previdenciário. Pós- graduanda em Direito Público.

Nos siga no Google Notícias