A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 26 de Maio de 2017


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


12/12/2014 16:46

“ Vencer a burocracia – o desafio dos governantes”

Manoel Afonso

CONSULTORIA É o meio usado para se justificar gastos no setor privado e público, principalmente. Ora! Avaliar a remuneração do trabalho intelectual é subjetivo. O que para uns valeria apenas R$ 5.000,00 para outros chegaria a R$ 886.500,00.

EXEMPLOS Uma consultoria sobre os hábitos sexuais dos pernilongos terá um valor financeiro segundo a necessidade e interpretação do cliente. Ironia a parte, a gente sabe que se copia de tudo hoje na internet, inclusive teses e pareceres gerais.

ZÉ DIRCEU Seu caso escabroso de ‘consultoria’ é apenas mais um dentre tantos arranjos para faturar com o tráfico de influência. Que especialidade econômica ele tem? Qual seu currículo na área? O argumento de quem pagou essa grana convence?

VALE TUDO Eleição municipal no interior é fogo! Conta o deputado Tetila; quando foi candidato a prefeito de Dourados sua vida foi vasculhada pela oposição. Na sua terra no interior paulista bisbilhotaram sua família, infância e até suas notas escolares.

É LEGAL mas é imoral a decisão judicial que reintegra os vereadores de Ribas do Rio Pardo do episódio da farra das diárias. O caso que foi notícia em todo o país causou repulsa de seu povo que está ironizando a ‘volta triunfal’ deles à Câmara.

‘A FESTA’ pelo visto é geral. Em Sidrolândia, por exemplo, estranha-se a demora do MPE em questionar os gastos com as diárias dos vereadores, principalmente para a capital. Nunca se viu tanta generosidade com o dinheiro público.

OUTRO CASO: Em Miranda com apenas uma sessão semanal cada vereador fatura R$ 6.000,00 ( sem contar as diárias) mais que o salário do professor, bancário, militar, assistente social e até do pequeno produtor rural. Quem paga a conta?

FRANCAMENTE... Será que o desempenho das Câmaras comporta tamanha estrutura vista por aí? Infelizmente, o escândalo em Naviraí e as cenas de violência em Maracajú ajudam – também – a desenhar uma imagem ruim do legislativo municipal.

PREOCUPA Quem substituirá Guilherme Filho no Governo? Ele conhece bem as empresas de comunicação e os profissionais da área ao longo de 26 anos na prefeitura e Parque dos Poderes. Falou-se em trazer gente de fora, uma aposta desgastante.

RETROVISOR Por ética não citaremos nomes, mas a falta de intimidade dos profissionais com a nossa realidade causou problemas a ex-governadores. Pedrossian que o diga! Quase sempre a pose desse pessoal era maior que a competência.

O PODER Reprise do filme às vésperas do novo governo. Alguns integrantes do 1º escalão não conseguem disfarçar: adrenalina já subiu. Nessas horas a gente lembra o Millor Fernandes: “O poder é o camaleão ao contrário: todos tomam a sua cor”.

CLARO que o Millôr tem razão ao definir essa sedução humana pelo poder. É normal, não poderia ser diferente. Mas deve-se admitir: há muita gente bem intencionada e que no futuro poderá ocupar espaços no cenário político administrativo do MS.

A PROPÓSITO Eduardo Riedel circulava pelo saguão da Assembleia Legislativa e disparei: “vamos aproveitar para conversar agora, porque hoje você não é mais o Riedel de ontem e amanhã não será o Riedel de hoje”. Cortez, ele sorriu concordando.

VEJA BEM! É preciso sim renovar continuamente o quadro político para oxigenar o poder democrático. O caso de Ridel (Dudu) é o exemplo do cidadão preparado, com os pés no chão e que tem todos os predicados para corresponder na vida pública.

É VERDADE que as entranhas do poder público diferem da iniciativa privada. Se na última decide-se pelo pragmatismo e intuição, na primeira a burocracia atrapalha. Fica-se refém de prazos, certidões e regras malucas de um país ainda cartorial.

RECLAMAÇÕES Com exceção do Harry Amorim, é claro, todos os governadores reclamaram do antecessor. Não pega bem esse ‘chororô’. As dificuldades fazem parte do cardápio. Moleza mesmo só na presidência do júri de concurso de miss.

RECOMENDA-SE moderação, sob pena de se pagar o mico. É o caso do Franco Montoro que sucedeu Maluf em São Paulo falando em auditoria e devassa. Não foi bem no governo enquanto Maluf é lembrado até hoje como ‘tocador de obras’.

A POLÍTICA é dinâmica com idas e vindas surpreendentes. Temos vários exemplos de governantes desgastados ao final do mandato (o que é natural) e mesmo tidos como liquidados politicamente, voltaram ao poder pela força do voto. Portanto...

O DEPUTADO Zé Teixeira admite que tem gente disparando contra André por conta própria e que as críticas não podem ser atribuídas a Reinaldo. Apesar de ser a pilastra de Reinaldo, o precavido deputado também elogia à administração de André.

A PERGUNTA continua: “quem levará a presidência da Assembleia Legislativa”? Para responder uso a expressão de um ex-deputado: “Difícil, porque o mais ingênuo dos deputados consegue caminhar com os pés a 20 centímetros acima do chão.”

REENCONTRO Estive com o Beto Pereira após sua eleição de deputado estadual. Falamos das eleições, do seu projeto de mandato parlamentar e da saúde de seu pai Valter Pereira que recebeu duas pontes de safena. A vida como ela é.

FIGUEIRÓ Não foi surpresa sua atuação neste período no Senado. Sua bagagem e sua conduta parlamentar falaram mais alto, ganhando elogios dos colegas inclusive. Ele não pediu, é claro, mas o senado foi uma premiação muito merecida.

“A justiça é cega, sua balança desregulada e sua espada sem fio” (Millôr Fernandes)

MS, Estado do Pantanal ou Estado do Laranjal?
LISTA SUSPEITA Assisti, li as defesas de vários políticos locais inseridos na famosa lista da delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista. Como a míd...
Dúvida cruel: quem irá nos ‘salvar’ agora?
‘VALE TUDO’ Nesta novela de 1988, o personagem sacana vivido por Reginaldo Farias foge com a mulher e, na cabine do jatinho, dá uma ‘banana’ debochad...
Os estragos da tornozeleira nas eleições de 2018
DEGRADAÇÃO Também aqui as notícias sobre as atividades dos políticos cada vez mais inseridas no contexto policial. As diferenças apenas no ‘modus ope...
PMDB – protagonista ou coadjuvante em 2018?
“SUTIÃ DE ITU” Só ele para abrigar essas tetas. São 304 sindicatos de empregados no MS, 15.007 no Brasil. Se o parâmetro para aferir o progresso do P...



A política é realmente dinâmica, portanto, ninguém é insubstituível, as trocas de comandos são legítimas e necessárias, aliás, o estatuto da reeleição no poder executivo demonstrou ineficiente, criando uma cultura de continuismo maléfica à administração pública. Todo início de governo, é natural que os administradores encontrem um grau de dificuldade, porém, é uma situação facilmente contornável, até orque a administração tende a assumir a cara do novo governante, o que não demandará mais do que trinta dias, lembrando que trocam-se os gestores, porém, o funcionalismo de carreira lá estão para dar continuidade ao funcionamento da máquina estatal. Os auxiliares diretos (secretários) oriundos da iniciativa privada, têm muito a contribuir com suas experiências e tem tudo para dar certo. Bene.
 
benedito rodrigues da costa em 14/12/2014 05:18:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions