A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Março de 2019


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


22/02/2019 08:39

A galinha, o porco e o nosso eleitor

Manoel Afonso

OPORTUNO analisar o comportamento do eleitor brasileiro comparando-o aos papeis reservados à galinha e ao porco na composição do suculento e calórico ‘breakfast’ da mesa matinal do povo americano - que acostumamos a ver no cinema. Pode até parecer uma comparação estranha, surreal, mas ao final o eleitor irá compreender e concordar com a linha de raciocínio.

VEJAMOS: A galinha tem o papel meramente participativo na qualidade final do omelete através do fornecimento de seus ovos. Sua missão termina exatamente onde começou. Posta-se como eventual figurante desta cadeia de transformação alimentícia. Não é questionada sobre a qualidade do produto final e não há que se preocupar com as suas consequências. E assim a galinha segue a vida batendo asas com seu corococó.

ENQUANTO isso ao porco cabe o papel decisivo e excepcional. Sua participação no evento é marcada pela ‘efetiva entrega’ da própria vida que gera o imprescindível toucinho. Sem ele, impossível compor a mesa do ‘breakfast’. Seu sabor é a marca inconfundível do bom omelete. Como se vê, o porco está realmente comprometido com esse processo alimentar. Digamos assim: morre literalmente por ele.

O LEITOR já questiona neste tópico: “onde o eleitor entra neste cenário ou enredo?” Explico: o exercício do voto no Brasil é obrigatório mas o comparecimento é despido do sentimento de entrega, de efetivo envolvimento patriótico objetivando o bem estar da sociedade. O eleitor vota olhando apenas o próprio umbigo e só leva em conta os benefícios pessoais e imediatos que possa auferir. Não tem gesto de grandeza ou de sacrifício do porco em prol da qualidade do omelete.

CONCLUSÃO - Sem o sentimento de entrega verdadeira do voto consciente, não há motivação para o exercício da vigilância e a cobrança prometida em palanque. Daí – para a passividade é um pulo! O eleitor brasileiro continua mais identificado com a postura da galinha. Já em relação ao comprometimento heróico do porco - jamais! “Brasil – um imenso aviário.” Eis aí um bordão interessante para o país.

PODERO$O - Não se preocupem: o Shopping dos Ipês da capital tem oxigênio próprio para aguentar crises e imprevistos. Seu dono – senador Tasso Jereissat (PSDB-CE) é empresário de peso e lidera a lista dos congressistas no quesito financeiro. O valor declarado de seu patrimônio é de R$389 milhões. O segundo senador mais rico é Oriovisto Guimarães (PODE-PR) dono do grupo de ensino Positivo: R$239 milhões.

MUITO BOM! - Com a nova previdência os políticos passarão para o Regime Geral, sujeitos as mesmas regras dos trabalhadores da iniciativa privada. Hoje a mamata é grande: eles (a) se aposentam aos 60 anos de idade ou 35 anos de contribuição. Como cada parlamentar recebe R$33.763,00, a aposentadoria equivale a R$11,5 mil por mês.

TEMAS - comentados do saguão da AL. Sobre a inclusão de MS no roteiro de visitas de Fernando Haddad (PT) (pra que mesmo?), um colega pontuou: Pode vir, mas tocar guitarra não. O cara é ruim demais! O outro olhar recaiu sobre os quilos extras do deputado Marcio Fernandes (MDB). Estresse e férias? Quanto a viagem do deputado Onevan de Matos (PSDB) à Terra Santa espera-se pelo milagre de um Onevan mais doce no seu retorno.

‘RENOVAÇÃO’’ - Partidos políticos em baixa definham. Um deles, o MDB paga o estigma pela corrupção e caciquismo desde 1986 com o ‘Plano Cruzado’. Aqui fala-se em ‘renovação’ sob as bênçãos do ex-governador Puccinelli (MDB) e de Carlos Marum, Conselheiro da Itaipu Binacional. Pergunta-se: que tipo de liderança se encantará com suas propostas em tempos de sirenes e tornozeleiras eletrônicas da Lava Jato e Lama Asfástica?

‘CURIOSO” - O STF prioriza casos que dão manchetes e engaveta processos mais importantes. Um deles é a denúncia do ‘Quadrilhão do MDB’ que surrupiou R$864,5 milhões da Transpetro/Petrobrás entre 2004 a 2014. Estão lá os ex-senadores Edson Lobão (MA), Romero Jucá (RO), Valdir Raupp (RO), José Sarney (MA) e o senador Renan Calheiros (AL). Até quando?

PATRULHAMENTO - Vivemos a praga do politicamente correto. Culpa do PT que tirou de nós o direito a opinar sobre determinados assuntos. O risco de ser chamado de racista, preconceituoso é enorme. Até o escritor Monteiro Lobato foi crucificado por criar a personagem Tia Anastácia que alegaram ser negra e discriminada na condição de empregada da família.

ABSURDOS - Em 2011 a Caixa Econômica Federal usou num filme um ator branco interpretando Machado de Assis (filho de negro com uma portuguesa branca). O fato atraiu a reação de entidades -apesar do escritor ser apenas moreno e não negro. Sob pressão, a Caixa suspendeu a campanha substituindo o personagem de Machado por um ator negro. Imagine o Pelé jogando hoje e sendo chamado de ‘negão’.

PROMETE - o embate contra a Energisa. Conferir hoje a conta de energia é igual abrir a notificação da Receita Federal: só calafrio. Neste ritmo até a luz no final do túnel deve ser apagada. Juridicamente não vejo chances de reverter porque a fixação dos critérios das tarifas é exclusividade das agências reguladoras criadas no ‘Governo FHC’. Aliás, nosso ex-presidente sociólogo – com suas aposentadorias – não se estressará por isso.

OS POLÍTICOS - estão agarrando essa oportunidade de mostrar serviço e ganhar visibilidade na mídia. Certíssimo eles! Mas só o argumento emocional não se sustenta frente aos intricados aspectos jurídicos e técnicos do caso. Só para refrescar a memória: aquela CPI contra a Enersul foi vitoriosa porque tinha notável assessoria técnica. Outra CPI seria o rumo certo e o presidente da Assembleia, deputado Paulo Correa (PSDB) entende bem do assunto e pode ajudar a fazer a diferença.

PÉROLA - machista de Luciano Bivar, presidente nacional do PSL sobre a cota das mulheres nas candidaturas: “...Se os homens preferem mais política do que a mulher, está certo, paciência, é a vocação. Se você fizer uma eleição para bailarinos e colocar uma cota de 50% para homens, você ia perder belíssimas bailarinas, porque a vocação da mulher para bailarina é muito maior do que a de homem.”

PREVISÍVEL - A Guarda Municipal da capital foi criada para fazer a vigilância de prédios públicos, fiscalizar parques, jardins e bens de domínio público. Depois a atribuição foi estendida para a função de polícia administrativa, fiscalização do transito, realizar apreensões, detenções e atuações. Ora! A Polícia Militar não gostou da concorrência e defendeu a exclusividade das atribuições e venceu na Justiça.

‘PLIM...PLIM’ - Uma farsa a cobertura da grande mídia dando destaque as intrigas ou picuinhas palacianas em prejuízo as prioridades que o país necessita, como a Reforma da Previdência. Ainda bem que existem as mídias sociais onde gente responsável mostra sua indignação com comentários abalizados e esclarecedores. O império do ‘Plim Plim’ não pode continuar pensando e decidindo por nós.

PESQUISA - é igual horóscopo: incrédulos ou não todos curtem. O Instituto Ranking de Pesquisas ouviu 500 pessoas em Dourados nos dias 15 e 16 deste mês para saber como anda a opinião do eleitor em relação a sucessão municipal. A gente sabe que é cedo, mas é valido apresentar os principais nomes do cenário douradense. Confira.

ESPONTÂNEA - Marçal Filho 14,60% - Barbosinha 6,80% - Geraldo Resende 3,60% - Renato Câmara 2,40% - Délia Razuk 1,60% - - outros 1,20% . Brancos, nulos e indecisos totalizaram 69,80% - número compatível com a época das pesquisas.

ESTIMULADA - Marçal Filho 24,20% - Barbosinha 12,40% - Geraldo Resende 8,40% - Renato Câmara7,80% - Délia Razuk 4,80%, Murilo Zauthi 3,20%. Brancos, nulos e indecisos somaram 39,20%. A pesquisa foi efetuada em conformidade com a Justiça Eleitoral (art. 33 da Lei 9.504/97 e do TSE 23.549/2017).

‘CONFUSÃO’ - Que bom seria se o Ministério Público Estadual adotasse a mesma consideração com as vítimas idosas como tem com as aves e animais. Venância Flores, aos 91 anos de idade, passa a ser apenas mais uma vítima na estatística dos absurdos. Atropelada e morta em 13/09/2017 por um carro dirigido pela mulher do procurador do MPE Gilberto Robalinho da Silva - configurou um caso indigesto.

PAÍS BOSTA - A cena do crime foi alterada pelo procurador Robalinho ( alegou mera confusão) e isso deve implicar no mérito do julgamento do caso inclusive. Mas o procurador geral do MPE Paulo Passos conseguiu do Tribunal de Justiça decisão favorável para não configurar fraude processual contra Robalinho. Mas questiona-se: não deveria a OAB-MS – através da Comissão de Direitos Humanos ter se manifestado ou mesmo intervido no caso? Ou seria desgastante se contrapor ao Ministério Público Estadual? Com a palavra o presidente Mansur Karmouche.

A prosperidade de homens públicos prova que eles lutam pelo progresso do nosso subdesenvolvimento ( Stanislaw Ponte Preta)

Poder: amigos ajudam ou atrapalham?
PATINANDO O Palácio do Planalto perde tempo com questões periféricas e discursos ideológicos. Ora! Estamos atrasados, precisamos de articulações polí...
Eleitor comprando gato por lebre
ÓCIO REMUNERADO São 12 dias de folga para nossos congressistas que estiveram no ‘batente’ pela última vez no dia 27 de fevereiro. A previsão sem erro...
A esquerda não faz farinha, só barulho!
SEM ILUSÕES a sonhada faxina geral no Congresso Nacional ainda não ocorreu desta vez. Pena! O perfil moral desta legislatura é retratado numa pesquis...
Atração dos holofotes, o medo do anonimato
NA CAVERNA Após o desastre eleitoral de 2018 os dirigentes do PT e MDB daqui hibernaram talvez para reflexão da humildade. Haja chinelos! A redução d...


O bajulador é assim mesmo.
Quando o partido está "por cima", é um admirador entusiasta.
Quando o partido está em baixa, se torna um opositor desde criancinha.
Vergonhoso.
 
Critico em 24/02/2019 15:43:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions