ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  23    CAMPO GRANDE 28º

Direto das Ruas

Com Centro em obras, usuários reclamam da demora até ônibus chegar ao ponto

Usuários do transporte público até entendem melhorias, mas pedem alternativa para minimizar atrasos

Por Maurício Ribeiro e Liniker Ribeiro | 21/07/2021 15:07


Ariadne lamenta longos períodos à espera de ônibus. (Foto: Kísie Ainoã)
Ariadne lamenta longos períodos à espera de ônibus. (Foto: Kísie Ainoã)

As obras de revitalização do Centro de Campo Grande tem avançado em diversos trechos, como na Rua Rui Barbosa, provocando interdições em vários pontos. Um deles fica na esquina com a Avenida Mato Grosso, por onde diversas linhas de ônibus passam e, por isso, rotas alternativas têm sido adotadas por motoristas do transporte público, o que tem gerado  atrasos e reclamações por parte de passageiros. Segundo apurado pela reportagem, o tempo de espera chega a ultrapassar os trinta minutos.

Segundo a técnica em laboratório, Ariadne Gaia (22), o que já não é bom pela manhã parece piorar no fim da tarde, quando o fluxo de veículos aumenta e torna o trânsito mais lento.

“Eu pegava o Otávio Pécora e tinha três linhas diferentes, todas foram cortadas, agora passa a linha Tia Eva que só tem quatro voltas de manhã e três no fim da tarde, com as obras complicou mais ainda. Agora mesmo já era para ter passado, mas está meia hora atrasado, isso porque eles dão uma volta maior e mesmo pegando ruas alternativas elas estão congestionadas, o que contribui para um tempo maior de viagem", diz

Segundo ela, o dia anda "rendendo" muito menos. "Eu costumava chegar umas 7h15 no trabalho, agora atraso uns 15 minutos. Eu venho na viagem das 6 da manhã, não é todo mundo sai de casa nesse horário”, conclui.

Rafaela diz que atrasos têm se tornado frequentes, principalmente nos fins de tarde. (Foto: Kísie Ainoã)
Rafaela diz que atrasos têm se tornado frequentes, principalmente nos fins de tarde. (Foto: Kísie Ainoã)

A assistente administrativo Agatha Gamarra, também sentiu diferença no horário dos trasporte público. "Eu pego todos os dias, de manhã e a tarde, com o trânsito do jeito que tá, os ônibus estão demorando demais. Com a Rui Barbosa fechada, eles dão uma volta maior, fora que ainda afeta quem descia na Rui Barbosa e precisa andar mais. Tem gente que perde de 10 a 15 minutos", afirmou.

Para Rafaela Santana, de 23 anos, o atraso dos ônibus, principalmente, na saída do trabalho, tem afetado até seus compromissos. “Antigamente ele [o ônibus] passava 17h15 no máximo. Na segunda-feira, por exemplo, ele foi passar era 17h50. Hoje eu cheguei aqui às 17 horas e até agora estou esperando, às 17h43. O ruim é que eu busco meu filho mais tarde na babá”, lamentou a auxiliar de contas em entrevista, no fim da tarde de ontem (20).

Ponto de ônibus, na Avenida Mato Grosso, lotado no fim da tarde de ontem (Foto: Kísie Ainoã)
Ponto de ônibus, na Avenida Mato Grosso, lotado no fim da tarde de ontem (Foto: Kísie Ainoã)

Posicionamentos - À reportagem, o presidente do Consórcio Guaicurus, João Resende, confirmou registro de atrasos por parte de linhas que percorrem ruas e avenidas do Centro da Capital.

"As obras realmente tem causado impacto, não só no transporte urbano, mas no individual também. Estamos tendo dificuldade de cumprir o horário, porém, orientamos os passageiros para que compreendam. Tem viagem que atrasa 10 minutos, outras um pouco mais. Já aconteceu do motorista ter que estar às 18h30 no Centro e, nesse horário, ele ainda estava no terminal Aero Rancho, ou seja, meia hora de atraso", afirma.

Para Resende, os imprevistos são necessários. "Sabemos que não temos o direito de atrasar, mas a gente entende que é por um melhoria e pedimos compreensão", destaca.

Já a prefeitura, afirma que obras como as realizadas, no momento, são necessárias para melhorias na cidade. O órgão também pede a compreensão por parte dos usuários do transporte público.

Interdições - As obras na Rui Barbosa fazem parte da segunda etapa do Reviva Campo Grande com obras em toda extensão da rua e prazo de conclusão estimado em um ano e três meses.


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário