A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

23/11/2014 17:34

Morador reclama de motos e pilotos cobram espaço para manobras

Kleber Clajus
Pilotos querem espaço fechado para prática de manobras radicais, mas hoje tem que improvisar em área no Jóquei Clube (Foto: Marcelo Calazans)Pilotos querem espaço fechado para prática de manobras radicais, mas hoje tem que improvisar em área no Jóquei Clube (Foto: Marcelo Calazans)
Carro se arrisca entre pedestres que utilizam estacionamento para prática de exercício físico (Foto: Marcelo Calazans)Carro se arrisca entre pedestres que utilizam estacionamento para prática de exercício físico (Foto: Marcelo Calazans)

O estacionamento do Jóquei Clube de Campo Grande virou área de treino para uma equipe de wheeling, modalidade esportiva em que se realiza manobras de moto com apenas uma roda. A prática preocupa um morador do Bairro Paulo Coelho Machado pelo fato de este não ser o local adequado para a prática e incentivar, mesmo que indiretamente, outras pessoas sem experiência a repetir os movimentos.

“Final do dia ferve de gente e revolta porque vira baderna com som alto e motos sem placa. Mesmo os profissionais deveriam ter um lugar adequado, porque as pessoas usam o espaço para fazer exercício e as crianças brincar com pipa e bicicleta”, explicou o morador, sem se identificar, pelo canal Direto das Ruas.

Ao lado do treinamento de pilotos profissionais, a equipe do Campo Grande News constatou que motociclistas tentavam manobras sem o mínimo de segurança e um carro realizava manobras tendo no painel uma garrafa de cerveja.

Thiago Moreira, piloto de shows por 15 anos e mecânico de motos, explica que o esporte não pode ser confundido com “baderna”, porém lamenta não ter uma área adequada e fechada para praticá-lo. Ele garante que o grupo, formado por mais três motociclistas, possui autorização para realizar manobras em uma área do estacionamento delimitada por cones.

“Utilizamos todos os equipamentos de segurança como capacete, protetor de pescoço e luvas, além das motos serem adaptadas ao esporte e não circularem nas ruas. Somos federados e quando vem outras pessoas até explicamos que não se pode realizar manobras sem segurança, mas quando há aglomeração deixamos o local”, contou Thiago.

Já o empresário Gleverson Teixeira, que há quatros pratica wheeling, admite a necessidade de uma área adequada ao esporte, bem como incentivo para contribuir na diferenciação dos profissionais daqueles que só querem “tumulto e se aparecer”.

O Campo Grande News entrou em contato com o diretor-presidente da Funesp (Fundação Municipal de Esporte), José Eduardo Amâncio da Mota, mas não obteve retorno sobre possibilidade de um espaço apropriado para os motociclistas.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions