ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  10    CAMPO GRANDE 24º

Economia

Alimentos básicos ficam mais baratos e cesta cai 8,14% na Capital

Tomate, banana e batata que já foram vilões em preços tiveram queda expressiva em valores e ajudaram no resultado

Por Rosana Siqueira | 04/06/2020 13:51
Banana teve queda no preços após altas expressivas em abril (Arquivo)
Banana teve queda no preços após altas expressivas em abril (Arquivo)

Redução nos preços do tomate, banana, arroz e outros produtos essenciais a alimentação derrubou em 8,14% o custo da cesta básica em Campo Grande, no mês de maio. O valor da cesta individual ficou em: R$ 455,35. Os dados são do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos). No ano a variação ficou em 1,17% e em 12 meses o índice é de 7,40%.

Os itens alimentícios com queda nos valores foram: tomate (-38,21%), óleo de soja (-20,44%), feijão carioquinha (-18,72%), pão francês (-11,88%), café (-9,16%), banana (-8,69%), leite integral (-8,06%), carne bovina de primeira (-4,28%), arroz agulhinha (-1,62%) e manteiga (-1,39%).

Os produtos que tiveram majoração nos custos em relação a abril na Capital foram: batata (56,06%), açúcar (7,94%) e farinha de trigo (0,22%).

Os dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (tomada especial devido à pandemia do coronavírus), realizada pelo DIEESE, indicou que os preços do conjunto de alimentos básicos aumentaram em oito capitais e diminuíram em nove, em relação a abril.

Principais variações - A batata, pesquisada no Centro-Sul, teve o preço majorado em 9 das 10 cidades. Em Campo Grande, o aumento superou 55%. A alta registrada foi causada pelas chuvas e pelo fim da safra das águas, que reduziram a oferta de tubérculos.

 O feijão que chegou ater aumento de quase 100% nos preços recuou na Capital.  A alta no preço do feijão carioca ocorreu devido a problemas climáticos, que fizeram cair a oferta do grão de qualidade. No caso do tipo preto, a demanda cresceu.

O valor da banana também teve decréscimo em Campo Grande. Isso foi provocado segundo o DIEESE pela menor demanda devido à quarentena e maior oferta, com a colheita da safra de inverno, que reduziram as cotações do fruto.

Familiar - O custo da cesta básica para uma família, composta por quatro pessoas totalizou R$ 1.366,05. Já a jornada necessária para comprar a cesta básica: 95 horas e 52 minutos (redução de 08 horas e 30 minutos em relação a abril).

Desde o dia 18 de março, por conta da pandemia do coronavírus, o DIEESE suspendeu a coleta presencial de preços dos produtos que fazem parte da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos nas 17 capitais. A solução encontrada foi uma tomada de preços nos estabelecimentos que fazem parte da amostra regular da pesquisa, por telefone, e-mail, consultas na internet e em aplicativos de entrega.