A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Outubro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


18/03/2014 06:00

Ex-governador ainda não engoliu cassação

Edivaldo Bitencourt

Revolta – O ex-governador e vereador Zeca do PT ainda não engoliu a cassação do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP). Ontem, durante reunião no escritório do senador Delcídio do Amaral (PT), o petista chegou esbravejando contra a decisão da Câmara Municipal, que classificou como “estupro”.

Independente – Ainda abalada pela derrota no legislativo, já que votou unida contra a cassação, a bancada petista baixou o tom em relação ao novo prefeito. No entanto, os petistas já decidiram que não serão oposição. “Apoiamos os dois”, afirmou o presidente municipal, Gildo de Oliveira.

Enfim – O prefeito Gilmar Olarte decidiu não deixar nenhum cargo desocupado. Ele já acertou a indicação da pedagoga Marineuza do Nasicmento para a Secretaria da Juventude. A pasta ficou vaga durante todo o mandato de Bernal, apesar do projeto ter sido aprovado em regime de urgência.

Em alta – Nelson Trad Filho (PMDB) está em alta na nova administração. Quatro integrantes da sua gestão voltam ao primeiro escalão na nova administração: Rudel Trindade (Agência de Regulação), Edil Albubquerque (Secretaria de Desenvolvimento), Marta Martinez (Agência de Habitação) e Marcos Cristaldo (Planurb).

Agilidade – Bernal levou uma eternidade para compor todo o secretariado e ainda foi cassado sem indicar o titular de uma pasta. Gilmar Olarte teve agilidade na definição da equipe e ainda não deve deixar nenhum cargo vago quando completar 10 dias no comando do município.

Dúvida da vez – Após a cassação de Bernal, a classe política se volta para o governador André Puccinelli (PMDB). A dúvida de todos só deve acabar no dia 5 de abril, quando ele decide se continua no cargo ou disputa o Senado.

Efeito dominó – A decisão do governador terá um efeito dominó nas eleições deste ano. A primeira mudança será na chapa do PMDB, que pode trocar a candidatura de Simone Tebet pela de Puccinelli. A segunda, será no comando do PMDB, com a ascensão da vice-governadora ao comando do Executivo.

PSDB – A terceira mudança pode ser nas pretensões do deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB). Ele pode ir para o embate na disputa do cargo de governador com o senador Delcídio do Amaral (PT), com quem vem negociando composição na chapa majoritária.

PT – O PT decidiu, ontem, descartar a aliança com o PMDB em Mato Grosso do Sul. O Estado será mais onde a aliança entre os dois partidos não será possível. Por enquanto, os petistas só devem retribuir o apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) em três estados. Em 2010, foram sete estados.

Dobrar – Para deixar claro a diferença para o prefeito cassado, Gilmar Olarte deverá dobrar o número de frentes de trabalho para recuperar a cidade. O objetivo é acabar com o matagal e os buracos nos próximos dias.

(colaboraram Kleber Clajus e Filipe Prado)

Crise da JBS rouba atenção de Temer
Foco na JBS - No Governo do Estado, a vinda do presidente Temer a Mato Grosso não teve a mobilização típica de visitas anteriores de presidentes. Na ...
Temer oscilou sobre decisão de vir para agenda em MS
Às pressas – A vinda do presidente Michel Temer para Mato Grosso do Sul neste sábado foi confirmada em cima da hora. A coluna apurou que tudo indicav...
Detran de MS avalia adesão a parcelar multa no cartão
Ainda não sabemos – O Detran de Mato Grosso do Sul avalia se vai fazer convênios que permitam parcelamento de multas no cartão de crédito. A autoriza...
Delcídio foi "fantasma" em sessão que manteve Aécio
Lembrado – O ex-senador e ex-petista Delcídio do Amaral está longe do Senado desde maio de 2016, quando foi cassado, mas nesta terça-feira foi bastan...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions