A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


18/03/2014 06:00

Ex-governador ainda não engoliu cassação

Edivaldo Bitencourt

Revolta – O ex-governador e vereador Zeca do PT ainda não engoliu a cassação do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP). Ontem, durante reunião no escritório do senador Delcídio do Amaral (PT), o petista chegou esbravejando contra a decisão da Câmara Municipal, que classificou como “estupro”.

Independente – Ainda abalada pela derrota no legislativo, já que votou unida contra a cassação, a bancada petista baixou o tom em relação ao novo prefeito. No entanto, os petistas já decidiram que não serão oposição. “Apoiamos os dois”, afirmou o presidente municipal, Gildo de Oliveira.

Enfim – O prefeito Gilmar Olarte decidiu não deixar nenhum cargo desocupado. Ele já acertou a indicação da pedagoga Marineuza do Nasicmento para a Secretaria da Juventude. A pasta ficou vaga durante todo o mandato de Bernal, apesar do projeto ter sido aprovado em regime de urgência.

Em alta – Nelson Trad Filho (PMDB) está em alta na nova administração. Quatro integrantes da sua gestão voltam ao primeiro escalão na nova administração: Rudel Trindade (Agência de Regulação), Edil Albubquerque (Secretaria de Desenvolvimento), Marta Martinez (Agência de Habitação) e Marcos Cristaldo (Planurb).

Agilidade – Bernal levou uma eternidade para compor todo o secretariado e ainda foi cassado sem indicar o titular de uma pasta. Gilmar Olarte teve agilidade na definição da equipe e ainda não deve deixar nenhum cargo vago quando completar 10 dias no comando do município.

Dúvida da vez – Após a cassação de Bernal, a classe política se volta para o governador André Puccinelli (PMDB). A dúvida de todos só deve acabar no dia 5 de abril, quando ele decide se continua no cargo ou disputa o Senado.

Efeito dominó – A decisão do governador terá um efeito dominó nas eleições deste ano. A primeira mudança será na chapa do PMDB, que pode trocar a candidatura de Simone Tebet pela de Puccinelli. A segunda, será no comando do PMDB, com a ascensão da vice-governadora ao comando do Executivo.

PSDB – A terceira mudança pode ser nas pretensões do deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB). Ele pode ir para o embate na disputa do cargo de governador com o senador Delcídio do Amaral (PT), com quem vem negociando composição na chapa majoritária.

PT – O PT decidiu, ontem, descartar a aliança com o PMDB em Mato Grosso do Sul. O Estado será mais onde a aliança entre os dois partidos não será possível. Por enquanto, os petistas só devem retribuir o apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) em três estados. Em 2010, foram sete estados.

Dobrar – Para deixar claro a diferença para o prefeito cassado, Gilmar Olarte deverá dobrar o número de frentes de trabalho para recuperar a cidade. O objetivo é acabar com o matagal e os buracos nos próximos dias.

(colaboraram Kleber Clajus e Filipe Prado)

Maioria prefere Lava Jato à Copa do Mundo
Copa? – Pesquisa do Instituto Paraná mostra que, a menos de um mês do Mundial da Rússia, o brasileiro não está muito motivado com o assunto. A consul...
Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...
O entrave no cadastro de pedófilos
Entrave burocrático – Autor do projeto de lei que criou o cadastro de pedófilos em Mato Grosso do Sul, o ex-deputado estadual Carlos Alberto David, d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions