A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


03/08/2017 06:00

Marun se empolga durante votação na Câmara Federal

Marta Ferreira

Comemoração - Durante a transmissão ao vivo da sessão de votação da admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), foi possível ouvir, em diversas ocasiões, os gritos do deputado sul-mato-grossense Carlos Marun (PMDB) direcionados à oposição. "Chora! Todo mundo pro muro da lamentação!", gritava, à medida em que os votos favoráveis a Temer se acumulavam.

Sem palavras – Zeca do PT, voto contrário a Temer, não foi totalmente ouvido nem no microfone. Sua fala foi atrapalhada por uma falha no equipamento.

“Sim, senhor presidente” - A votação do relatório foi também um indicativo do caminho da deputada federal Tereza Cristina que votou favoravelmente a Michel Temer. Ela ainda está filiada ao PSB, mas sua saída é dada como certa há dias.

PMDB? – Tereza Cristina votou contra a posição de seu futuro ex-partido, confirmando os rumores de que pode ter sido convencida a integrar o partido do presidente. Ela também está sendo cortejada pelo DEM, partido de Rodrigo Maia, presidente da Câmara, que também votou a favor de Michel Temer.

Queixa - O deputado Lídio Lopes (PEN), que faz parte da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia, reclamou que alguns colegas votam a favor de projetos, mas que depois que são vetados, em vez de manter a posição inicial, preferem seguir o que o governo decidiu.

Coerência – Lídio argumentou que não votar pela derrubada dos vetos causa estranhamento. “Se teve convicção antes, inclusive consultando sua assessoria jurídica, precisa manter até o final", declarou.

“Tudo certinho” - Na assinatura da primeira chamada dos aprovados no concurso da Assembleia, o deputado Amarildo Cruz (PT) ponderou que se tratava de um momento histórico, já que pela primeira vez se faz processo seletivo no Legislativo de MS. Ele anotou, ainda, que as cotas para negros, índios e pessoas com deficiência foram respeitadas.

Divisão - A retomada dos trabalhos na CPI que investiga irregularidades fiscais na concessão de incentivos à JBS teve diferença de opiniões entre os deputados. Paulo Siufi (PMDB) e Pedro Kemp (PT) queriam a convocação do superintendente do Ministério da Agricultura em MS, Celso Martins e o secretário de fazenda do Estado, Márcio Monteiro. Eduardo Rocha (PMDB) e Flávio Kayatt (PSDB) foram contrários.

Não queria - O presidente Paulo Corrêa (PR) foi o voto minerva e indeferiu os pedidos. Contudo, ao manifestar seu voto, Siufi também pediu o voto do líder do partido [PMDB], Eduardo Rocha, que disse que “mesmo constrangido” votaria contra.

Cobrança - O deputado Paulo Corrêa disse que o governo estadual vai ter rigor maior na análise dos termos de acordo de incentivos fiscais, para saber se as empresas estão cumprindo com o que foi firmado. "Já foi publicado o decreto que torna as regras mais rígidas, percebemos a necessidade e repassamos ao governo".

(Com Leonardo Rocha e Lucas Junot)

Senador critica "descaso" com Paraguai
Vizinho desprestigiado – O ministro Carlos Marun, da Secretaria de Governo, e o senador Pedro Chaves (PRB/MS) foram os dois únicos representantes de ...
Campanha tucana atrai 75% dos prefeitos
Apoio – Enquanto o MDB, antigo aliado histórico do PSDB, patinou para fechar sua candidatura do governo do Estado, os tucanos contabilizam adesões. N...
Dois anos após "febre", Uber perde motoristas
Debandada – Quase dois anos depois de chegar a Campo Grande, e depois de muita polêmica, a plataforma de transporte por aplicativo mais conhecida, a ...
Cristhiano Luna é o nosso Lula
Livre - Um dos crimes de maior repercussão em Campo Grande teve novo capítulo na semana passada. O STF concedeu liminar e soltou Cristhiano Luna, ass...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions