A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Setembro de 2019

19/10/2018 07:30

Rodar filmes de terror regionais é trabalho sério de casal de professores

Thaís Pimenta
Larissa virou atriz no filme Domina Nocturna, o único em que ela participa do elenco e sai de trás das câmeras. (Foto: Acervo Pessoal)Larissa virou atriz no filme Domina Nocturna, o único em que ela participa do elenco e sai de trás das câmeras. (Foto: Acervo Pessoal)

Só quem ama filmes de terror sabe explicar o fascínio pelo medo a cada cena de suspense. O mesmo acontece com o casal de professores Larissa Anzoategui e Ramiro Giroldo, da Astaroth Produções, que sempre foram fascinados pelos filmes de terror oitentistas, com monstros e criaturas fantásticas. O Lado B já falou de algumas empreitadas dos dois em produções por aqui, mas hoje conta a história desse romance.

Os planos de começar uma produção de longas e curtas do gênero aconteceu há 6 anos, quando os dois ainda moravam em São Paulo e, junto de Pedro Rosa, amigo e parte da equipe da Astaroth, frequentavam os corredores de festivais de filmes fantásticos por lá.

"Era uma das coisas que nos unia. O terror é nosso gênero preferido. Os três cresceram devorando as produções dos anos 80, tanto as grandes produções, quanto e talvez principalmente os filmes feitos para o mercado das vídeo locadoras", explica Larissa.

 

Gravações do filme Abissal, com um zumbi saindo do armário. (Foto: Acervo Pessoal)Gravações do filme "Abissal", com um zumbi saindo do armário. (Foto: Acervo Pessoal)

Com um longa-metragem finalizado e cinco curtas: Astaroth, Red Hookers, Nata Vade Retro, Limerence, A janela da Outra e Fatal, o casal trabalha sério em cima das produções e contrata maquiadores especialistas no negócio, como Pamira Nogueira, e um profissional de som é sempre incluso para fazer a captação.

"Todos nós corremos atrás da produção e vamos acumulando outras funções: eu dirijo, o Ramiro escreve os roteiros, o Pedro cuida da direção de fotografia. Todos fazemos edição", pontuam.

Focada nos trabalhos, a produtora é pequena e a maioria dos trabalhos contratados têm alguma relação com o estilo, sem ser obrigatoriamente algo de terror.

Curta- metragem Red Hookers. Curta- metragem "Red Hookers".
Atriz se transforma em demônio. (foto: Acervo Pessoal)Atriz se transforma em demônio. (foto: Acervo Pessoal)

Com histórias bem urbanas, Larissa explica que os filmes não são do gênero trash. "O pessoal confunde filme de terror com filme trash e trash é um estilo que pode ser aplicado a vários gêneros. Não é porque é um filme de baixo orçamento que vai ser automaticamente trash. Não tenho nada contra este estilo, inclusive dediquei meu TCC da faculdade a ele, foi quando produzi meu primeiro experimento audiovisual". Dos seis filmes, apenas o "Natal, Vade Retro!" pode ser enquadrado no estilo "trash".

Os filmes já foram exibidos na América Latina e nos Estados Unidos, em países como México, Chile, Uruguai, Canadá, Estados Unidos e Peru, além de em alguns estados brasileiros como Rio Grande do Sul, Bahia, São Paulo, Goiás, Roraima.

A produtora tem algumas gravações que estão em fase de pós produção e devem ser lançados logo logo, com cenas gravadas no final do ano passado e uma equipe que passou 15 dias na casa do casal para gravar um longa e quatro curtas. "Em 2018 gravamos outro longa, este têm um estilo diferente das nossas outras produções com uma influência do ultrarromantismo de Álvares de Azevedo", finalizam.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram.

imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.