A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 22 de Maio de 2019

26/11/2018 06:56

No meio do nada, banquinha de autoatendimento sobrevive da honestidade

Banca fica cheia de verduras a R$ 2,00, mas sem nenhum vendedor ou fiscalização; basta pegar e pagar

Guilherme Henri
Banquinha fica em estrada de terra a 15km do Centro de Terenos (Foto: Guilherme Henri)Banquinha fica em estrada de terra a 15km do Centro de Terenos (Foto: Guilherme Henri)

No fundão de Terenos, em meio ao nada, uma banquinha improvisada oferece todos os dias 10 saquinhos de legumes e verduras por R$ 2,00 cada. Não tem vendedor, não há fiscalização, por isso a forma de pagamento causa estranheza. O pequeno cofre azul, daqueles bem antigos, preso ao tronco que forma a banca, espera que a honestidade de quem compra garanta o depósito do valor pedido.

A visão é daquelas de esfregar os olhos para ter certeza se é verdade. Mas, a verdadeira história do lugar está a 800 metros a fundo da banca, onde mora o dono da vendinha inusitada.

Com as mãos vermelhas de barro, Alcione Paim Anastácio, 52 anos, recepciona a equipe desconfiado. “Como me acharam? Eu gosto de privacidade!”, disparada o homem.

Mas logo de saída resume a história dizendo que foi parar no lugar depois de não sentir mais propósito em morar na Europa. Largou tudo para viver com a esposa holandesa na paz oferecida pelo mato, mais especificamente 15 quilômetros adentro da área rural de Terenos, em região conhecida como Colônia Nova.

Banquinha é feita com toras e já estava vazia quando a equipe chegou. (Foto: Guilherme Henri)Banquinha é feita com toras e já estava vazia quando a equipe chegou. (Foto: Guilherme Henri)
Plaquinha informando autoatendimento e preço por R$ 2,00 (Foto: Guilherme Henri)Plaquinha informando autoatendimento e preço por R$ 2,00 (Foto: Guilherme Henri)

A vendinha, segundo ele, rende sagrados R$ 20,00 todos os dias. O lugar é tão longe que nem a desonestidade consegue chegar, já que há um ano, no fim do dia, o dinheiro está na “caixa registradora” inusitada, religiosamente.  

A dureza de quem desacostumou a ver gente só  é quebrada quando demonstrado o interesse pelo trabalho com a terra. Com semblante agora mais amigável, Alcione vira guia na propriedade com 6 hectares.

Ele conta que saiu de Aquidauana aos 20 anos, num intercâmbio da faculdade de Agronomia, que cursava em Dourados. A chance foi agarrada por ele e rendeu mais de 20 anos na Europa, largou agronomia e acabou se formando em radiodiagnóstico médico lá fora.

Alcione Paim Anastácio, 52 anos (Foto: Guilherme Henri)Alcione Paim Anastácio, 52 anos (Foto: Guilherme Henri)

Casou, teve quatro filhos com a esposa holandesa e decidiu voltar ao Brasil há cerca de 10 anos para viver da terra. “Moramos há dois anos aqui, depois de sair de outra propriedade rural em Aquidauana. O lugar ainda parece acampamento. Queria ensinar os meus filhos que trabalho e mais trabalho não é tudo”, diz.

A banquinha, segundo ele, surgiu mais como forma de protesto em relação aos preços absurdos cobrados pela Ceasa e os supermercados, além do governo que taxa tudo e compromete a renda no campo.

“É tudo produzido aqui e de maneira consciente. Só não dá pra falar que é orgânico porque não tem selo mesmo”, detalha o homem, que em seguida mostra a única bombinha laranja, usada para borrifar manualmente o extrato de plantas produzido por ele mesmo para o controle de pragas.

Bombinha laranja usada para borrifar extrato de planta (Foto: Guilherme Henri)Bombinha laranja usada para borrifar extrato de planta (Foto: Guilherme Henri)

Na terra, Alcione mostra que no momento são cultivados berinjela, jiló e até feijão de corda. Mas, segundo ele, outros legumes como vagem também foram produzidos. “Tudo vai de acordo com a época né”, explica.

O plano, de acordo com Alcione, é um dia levar alguns produtores até o lugar e mostrar que é possível viver com o que se produz,. Talvez o sonho só não se concretize já que o homem diz já pensar em retornar a Europa para providenciar sua aposentadoria.

“Tenho quatro filhos. Dois deles moram na cidade para estudar no IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul). O mais velho mesmo, de 17 anos, diz que pretende voltar a Holanda e talvez ele vá até antes da gente”, conclui.

Sobre o valor arrecadado com os vizinhos chacareiros, o produtor revela que de fato não dá para sobreviver com R$ 20,00, mas “paga uma gasolina quando a gente precisa”, conta com bom humor.

Nunca faltou qualquer centavo no fechamento do caixa, diz Alcione. Por isso, quem paga tem crédito e assim, dia após dia, a reposição é feita na banquinha da honestidade.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

Alcione mostra feijão de corda cultivado no lugar (Foto: Guilherme Henri)Alcione mostra feijão de corda cultivado no lugar (Foto: Guilherme Henri)
Propriedade tem 6 hectares (Foto: Guilherme Henri)Propriedade tem 6 hectares (Foto: Guilherme Henri)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.