A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 23 de Setembro de 2018

22/01/2017 07:05

Vida de Cris é sem açúcar, mas nem por isso cadeirante deixa de ser doce

Paula Maciulevicius
Cris, 37 anos, não se deixa levar pelas consequências da diabetes. (Foto: Kísie Ainoã)Cris, 37 anos, não se deixa levar pelas consequências da diabetes. (Foto: Kísie Ainoã)

O doce saiu da vida de Cris, mas a doçura permanece em cada palavra e sorriso, ainda que tímido. Formada em Publicidade, Cristiane da Silva Ferraz tem 37 anos e há quatro teve de amputar o pé esquerdo, a consequência visível que a diabetes lhe trouxe.

Nascida em Aquidauana, ela mora sozinha com dois cachorros na região do Universitária, em Campo Grande e há duas décadas convive entre remédios, insulinas e o terror que pode se transformar sua glicose.

“A diabetes surgiu em 1997, com 17 para 18 anos. Tem médico que fala que foi emocional. Eu era obesa, tinha começado a emagrecer, um dia foi dormir enxergando e no outro, a visão já estava turva”, conta.

Com exames em mãos, os médicos descobriram que a glicose estava alteradíssima e a primeira reação da menina foi de que “como ia morrer mesmo”, não precisava se cuidar. Até que dois anos depois, prestes a fazer 20 anos, teve de fazer uma cirurgia nos dois olhos.

“Deu catarata, eu não conseguia estudar. Na época nenhum ofaltmo queria fazer a cirurgia. Minha glicose não abaixava com medicamento e com insulina, baixava demais. Aí dava hipoglicemia”, descreve Cris.

Anos depois, foi a vez dos pés começarem a apresentar consequências da diabetes. Bolhas d’água se formaram até trazer um risco grave de infecção e o pé esquerdo ser amputado. “Qualquer machucado no diabético evolui mais rápido e a cicatrização demora”, detalha.

Aos 33 anos, Cris teve a perna esquerda amputada abaixo do joelho. O risco da ostiomelite subir e afetar os rins era muito grande. O que se tornou o próximo passo. Para sobreviver, Cris tem de ir para a diálise três vezes na semana. Claro que ao receber a notícia, ela resistiu, mas apenas 10% dos rins funcionavam. “Passei mal em frente da médica, quando recobrei o juízo, já estava dialisando”, lembra.

Desde então, segunda, quarta e sexta, das 7h às 11h da manhã, Cris passa ligava à máquina e sem deixar ninguém ao seu redor dormir. Ri, faz selfies e conversa o tempo todo. “É uma foram de interagir com as pessoas. Tem que levar alegria a um local que é triste. Quando comecei a dialisar, conheci muita gente que hoje não está mais ali”.

Os efeitos colaterais se resumem a um sono, mas nada que ela não consiga contornar. “É uma coisa pela qual eu tenho que passar e ninguém vai passar por mim. Por isso não é bom reclamar e me deixar morrer? Jamais”, frisa.

No começo, a vida sem açúcar não foi nada fácil. “Pensa? Você é acostumada a comer qualquer coisa e de repente não pode mais. Na casa dos outros é mais difícil ainda, porque falam ‘mas é só um pouquinho’. É preciso ter disciplina, que com o tempo a gente vai aprendendo”, explica.

Se hoje ela pensa no passado, principalmente em não ter se cuidado, assim como chegam os pensamentos vão embora. “Poderia ter evitado desde o começo, os médicos diziam: ‘você pode ficar cega, pode sofrer amputações’. Tem hora que me arrependo, tudo poderia ser diferente, mas se tivesse sido, eu ia deixar de conhecer muitas pessoas e muitas histórias”, resume.

Curta o Lado B no Facebook.

Perna esquerda foi amputada três anos atrás. (Foto: Kísie Ainoã)Perna esquerda foi amputada três anos atrás. (Foto: Kísie Ainoã)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.