ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  10    CAMPO GRANDE 26º

Diversão

Isolado, advogado transforma casa em balada e faz lives como DJ

Animado, André leva a diversão até seu lar para dar um “up” no astral e ajuda a enfrentar a quarentena de forma mais leve

Por Alana Portela | 01/06/2020 06:12
André Ruiz se apresentando como DJ durante uma live que fez. (Foto: Reprodução/Facebook)
André Ruiz se apresentando como DJ durante uma live que fez. (Foto: Reprodução/Facebook)

Com a intenção de espantar a tristeza e ajudar as pessoas a encarar a quarentena, André Ruiz transforma a casa em balada. Aos 47 anos, o advogado aposta na profissão de DJ para dar um “up” no astral e tornar as noites dos seguidores mais divertidas, com lives flash back. Ele é de Campo Grande, mas o sucesso é tanto que tem gente no país inteiro interagindo nos shows virtuais.

“Nessa quarentena sou DJ em casa, é bacana. Criei um perfil no Facebook para ajudar as pessoas se sentirem melhor, principalmente porque nos primeiros 40 dias de isolamento tinha gente ficando triste. O objetivo não é só tocar música, mas fazer esquecer de pandemia, de boleto atrasado. Vamos ser felizes hoje para amanhã estarmos melhor”, diz André.

Ele começou os trabalhos como DJ desde 1986. Na época, a profissão não era bem vista. “Tocava em festas, aniversários, escolas e festinhas de garagem dos amigos. DJ era visto como vagabundo, falavam que alisava disco. Em 91, mudei-me da Capital para cursar Direito e fiz de tudo um pouco. Limpei salão, fui vendedor, dava aula até que consegui trabalhar numa rádio em Dourados”, lembra.

O DJ André usa um microfone para interagir com os seguidores. (Foto: Facebook)
O DJ André usa um microfone para interagir com os seguidores. (Foto: Facebook)

André passou a trabalhar de madrugada e continuou a graduação. Tempo depois, fez trabalhos como jornalista, escrevendo matérias para os locutores apresentarem durante as programações. “Apresentava até às 6h, após esse horário pegava jornal, porque não tinha internet, e escrevia”.

“Depois fui promovido e passei a trabalhar durante o dia e lá, também consegui programas especiais de fim de semana. Isso me ajudou a fazer apresentações de eventos, festas em danceterias. Após me formar em Direito, passei a me dedicar a profissão e voltei para Campo Grande”.

Por aqui, conseguiu atuar na área jurídica, porém o excesso de trabalho gerou um quadro de estresse avançado e o fez adoecer. “Tive depressão, percebi que muitas pessoas sofrem desse mal. Os médicos disseram para fazer algo que gostasse, aí lembrei da música”, fala.

Como já tinha experiência de DJ, André resolveu conciliar a carreira com a advocacia. Logo os amigos o convidaram para tocar em festas. Contudo, ele precisou ficar um ano fora de Campo Grande. Retornando para a Capital, conheceu outros DJs e agora tem até um programa no canal do Youtube “Estação DJs”.

“Eu e mais os DJs; Anselmo, Ney Serrou e Cleiton nos apresentamos, fazemos festas, brincadeiras e gente do país inteiro acompanha. Tocamos todas as quintas, ás 21h, horário de Brasília”, diz.

Recentemente criou o perfil “DJ André Zhy”, onde se apresenta aos sábados e também durante a semana, mas sem horário fixo. Isso porque faz curso e também precisa dar conta do serviço como advogado.

Alex em frente aos aparelhos que usa para animar as festas. (Foto: Arquivo pessoal)
Alex em frente aos aparelhos que usa para animar as festas. (Foto: Arquivo pessoal)

“Decidi fazer o perfil porque amo música, me acalma e na época que estava na faculdade me ajudou a viver, pagar o curso. Hoje, me ajuda voltar a viver, significa mais que acordes e som, é um remédio para a alma”, destaca.

Por isso, André transforma a casa em balada e até usa jogo de luzes para dar um efeito de festa. Animado, toca as músicas e dança para animar o pessoal de casa. Com um microfone, consegue interagir com os seguidores.

“Interajo, escolho as músicas, o pessoal mantém contato, pede música e sempre estamos trocando ideias. O objetivo não é divulgar nenhum trabalho de DJ, mas sim formar amigos, conhecer pessoas e auxiliar quem precisa”, afirma.

Com fone na boca, ele se diverte com a música. (Foto: Arquivo pessoal)
Com fone na boca, ele se diverte com a música. (Foto: Arquivo pessoal)

Nas apresentações costuma tocar flash back e músicas românticas de várias épocas. As lives duram cerca de uma hora e meia. “É dividida em três blocos de 30 a 40 minutos cada. Isso porque a live no Facebook é limitada, se passar disso, corremos risco de ter a sequência bloqueada por conta dos direitos autorais ou devido a conexão da live”, explica.

A família em casa aproveita para curtir e apoiar André, mas sem aparecer na live para não dispersar o DJ. A simpatia e animação desse apresentador é tanta que conquistou gente de outros estados. Agora, ele já tem até agendas de shows para depois da pandemia. “Recebi convite para festas em São Paulo, Cascavel no Paraná e até em Santa Catarina, nas cidades de Joinville e Balneário Camboriú”.

Enquanto isso, os moradores de Campo Grande podem aproveitar a balada em casa que acontece no perfil DJ André Zhy. É Só acompanhar a rede social que vai ser contagiado com a alegria desse DJ.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.