ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SÁBADO  06    CAMPO GRANDE 28º

Sabor

Guavira que cura dor de barriga também dá um sorvete dos deuses

Chegou a época do ano em que a fruta dá no pé; as índias do Mercadão dão dicas de receitinhas caseiras para o que se fazer com ela

Por Raul Delvizio | 07/11/2020 08:39
Na Feira Indígena, a fruta fica exposta pra todo mundo ver – e chupar (Foto: Silas Lima)
Na Feira Indígena, a fruta fica exposta pra todo mundo ver – e chupar (Foto: Silas Lima)

Na Praça Oshiro Takimori, ao lado do Mercadão Municipal, o Lado B estava atrás de receitas para se fazer com a frutinha mais regional de todas – afinal chegou novembro, o mês que ela dá que nem água. “Quanto que tá a guavira, minha senhora?”, perguntei pra uma das indias. “Tá R$ 15 o ‘potão’, e dá pra família toda”. “Sabe me dizer alguma receita boa para se fazer com ela?”.

“A gente usa ela mais ‘de chupar’, mas dá pra fazer suco, licor, a famosa cachaça de guavira. Aqui no Mercadão mesmo, tem até picolé da fruta. Mas eu prefiro comer a original”, afirma Vanda de Albuquerque, a terena que é presidenta da Feira Indígena de Campo Grande, localizada no lado de fora do Mercadão.

Guavira dá no pé geralmente em meados de setembro até finalzinho de novembro (Foto: Silas Lima)
Guavira dá no pé geralmente em meados de setembro até finalzinho de novembro (Foto: Silas Lima)

Mas se for fazer o suco, tem que tomar na hora, nada de deixar pra depois, caso contrário vai ficar amarga demais”, deixa o alerta.

Só pra confirmar, Vanda disse que novembro “guavira dá que nem água”, e que a comunidade caça a frutinha no mato mesmo, em meio ao nosso bioma pantaneiro. Ainda sobre receita, a terena me sugere outra.

“Você pega, morde levemente a fruta e chupa o interior sem mastigar, que nem se faz com a jabuticaba. Com a casca, você lava bem, deixa secar bastante e guarda num recipiente – acho melhor num de vidro. Assim, você pode pegar o quanto quiser e fazer um chá de casca de guavira, super levinho pras crianças, bom pra que tá com dor de barriga”, considerou.

Vanda é a terena por trás desta vendinha de frutas e verduras (Foto: Silas Lima)
Vanda é a terena por trás desta vendinha de frutas e verduras (Foto: Silas Lima)
A fruta lembra a prima-irmã jabuticaba, mas é super regional, com sabor bem adocicado (Foto: Silas Lima)
A fruta lembra a prima-irmã jabuticaba, mas é super regional, com sabor bem adocicado (Foto: Silas Lima)

Por outro lado, para se fazer a cachaça – conforme Vanda explicou – não é preciso furar a fruta como as pessoas erroneamente fazem. Basta colocar as frutinhas submersas no aguardente e tapar a garrafa, que em mais ou menos 1 semana o líquido já curte e vai alterando de cor para o esverdeado da fruta.

“Fica super docinha. A casca não deixa amarga o sabor da cachaça, isso se você não ‘apertar’ pra caber mais. Em 1 mês, já vai ficar super verdinho tal como é a cor da guavira”.

Sorvete – Coincidências da vida, bem na hora em que o Lado B chegou para bater um papo com as vendedoras terenas da Feira Indígena, estava Elisângela Nassif, dona de uma gelateria na rua Euclides da Cunha, aqui na Capital.

Ela pediu para a matriz preparar uma receita exclusiva de sorvete de guavira para a sua unidade da franquia. Assim que retornaram com aval positivo, ela já veio na feira conversa com as índias e comprar sacos da fruta.

Elisângela é a dona de uma gelateria aqui na Capital (Foto: Silas Lima)
Elisângela é a dona de uma gelateria aqui na Capital (Foto: Silas Lima)
As duas mulheres conversam sobre a fruta que "deu aos montes" (Foto: Silas Lima)
As duas mulheres conversam sobre a fruta que "deu aos montes" (Foto: Silas Lima)

“Vim comprar o ‘litro’ da guavira pra levar e testar nossa fórmula especial na loja, que faz questão de se basear nessa tradição regional. É a primeira vez que vamos soltar na vitrine o sorvete de guavira, já disponível pra venda neste final de semana”, comenta.

Na internet, foi possível encontrar uma receita “genérica” do sorvete de guavira, que se encontra logo abaixo. Confira!

Ingredientes:

  • 500 g de guavira (o que dá em média 3 litros da fruta)
  • 180 g de açúcar (1 xícara de chá)
  • 2 bananas

Modo de preparo – Com a ajuda de uma faca, corte cada guavira e aperte levemente para que a polpa da fruta escorra. Se precisar, raspe o interior com a faca. Não utilize a casca. Depois, misture com a xícara de açúcar e em uma panela leve ao fogo médio. Quando ferver, abaixe a temperatura. Detalhe: se quiser, essa polpa também pode ser congelada para futuras experimentações gastronômicas.

Em seguida, coe em uma peneira – é preciso que esteja quente. Isso facilita bastante. Leve a calda ao liquidificador junto com as 2 bananas. Bata até que a calda se transforme em um líquido volumoso e cremoso. Depois, é só levar ao congelador e esperar por pelo menos 2 horas.

Esta receita combina muito bem com uma salada de frutas ou sobre um pedaço de bolo.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Guavira também pode virar um excelente sorvete ou um chazinho "cura tudo" (Foto: Silas Lima)
Guavira também pode virar um excelente sorvete ou um chazinho "cura tudo" (Foto: Silas Lima)
Índia organiza a fruta na feira (Foto: Silas Lima)
Índia organiza a fruta na feira (Foto: Silas Lima)
Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário