ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  20    CAMPO GRANDE 21º

Meio Ambiente

Incêndios florestais já atingiram os três biomas de Mato Grosso do Sul

Só no Pantanal foram consumidos 1,2 milhão hectares de área e do bioma Cerrado foram 21 mil hectares

Por Ana Paula Chuva | 25/09/2020 13:17
Área queimada nas margens da Transpantaneira, região de Coxim. (Foto: Silas Lima)
Área queimada nas margens da Transpantaneira, região de Coxim. (Foto: Silas Lima)

Mato Grosso do Sul já tem seus três biomas atingidos pelos incêndios florestais. Só no Pantanal, dos 3.186.000 de hectares consumidos, 1.238.000 são no Estado, segundo o tenente-coronel Waldemir Moreira, coordenador do Centro de Proteção Ambiental do Corpo de Bombeiros.

“Esse é um ano extremamente atípico. Tivemos sete meses de picos de incêndios florestais por mês. Setembro, que nem finalizou, e, o número de focos já está maior do que o mês de agosto”, disse o tenente-coronel durante coletiva de imprensa nesta manhã .

Atualmente os incêndios no bioma pantaneiro se concentram na Serra do Amolar e são 275 pessoas empenhadas no combate, sendo militares da Marinha do B rasil, Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul e Paraná, e brigadistas do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

No bioma Mata Atlântica, os focos se concentram no Parque Nacional da Ilha Grande, no município de Naviraí a 359 quilômetros de Campo Grande. O incêndio atinge a ilha de Bandeirantes, um local confinado e de difícil acesso, segundo o tenente-coronel.

“São 23 pessoas empenhadas no combate aos incêndios na Ilha Grande, entre militares do Corpo de Bombeiros e Polícia Militar do Paraná, além de brigadistas do ICMBio. O local é de difícil acesso  e o incêndio está foi combatido nesta madrugada através de uma linha de contra fogo a partir da rodovia e está caminhando para a extinção total”, declarou durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira.

Já no bioma cerrado, foram consumidos 21 mil hectares da área, o que representa 68,6% do Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari e no local 48 pessoas se concentram no combate aos focos de incêndio, entre militares do Corpo de Bombeiros do Estado e do Paraná, brigadistas do ICMBio e policiais militares de Minas Gerais.

“A gente percebe que a velocidade de propagação de um incêndio este ano é muito grande. O da região do Rio Taquari está controlado, mas segue em vigilância. Os homens que estão no local fazem o trabalho de rescaldo”, completou.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário