ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  07    CAMPO GRANDE 22º

Meio Ambiente

Militares avaliam áreas atingidas pelas queimadas e orientam ribeirinhos

Corumbá registrou só em julho de 2020 mais de 2 mil focos de incêndio e lidera ranking do Inpe

Por Ana Paula Chuva | 30/07/2020 13:50
Equipes fazem ação de conscientização com famílias ribeirinhas da região. (Foto: Diário Corumbaense)
Equipes fazem ação de conscientização com famílias ribeirinhas da região. (Foto: Diário Corumbaense)

As equipes da Marinha do Brasil e da PMA (Polícia Militar Ambiental) faze nesta quinta-feira (30) fiscalização nas áreas atingidas pelas queimadas no Pantanal, além de ação de conscientização com as famílias ribeirinhas da região.

Conforme o site Diário Corumbaense, a ação faz parte da operação Pantanal, que reúne também órgãos municipais, estaduais, federais e as Forças Armadas no combate aos incêndios florestais.

Nesta quinta as equipes estão entre a Ilha do Itajiloma e a ponta do aterro da Baía Negra, conhecida como Codrasa, em Ladário. Onde o objetivo é fiscalizar a origem dos focos de incêndio.

“Tem muita queimada que não conseguimos identificar a origem, mas temos constatado também que algumas pessoas têm se aproveitado dessa situação para fazer a limpeza das suas áreas e de maneira irregular. A meta é autuar quem se aproveitou da situação das queimadas para realizar esse tipo de ação”, falou capitão Diego Ferreira, comandante da 2ª Companhia da PMA em Corumbá.

Ainda segundo o comandante, as autuações e multas para os responsáveis pelos incêndios vão depender se ocorreram em área urbana ou rural e qual a extensão da queimada.

 “A autuação e multa podem ir desde uma autuação simples, com multa de R$ 500,00 e pena de detenção de três meses até uma questão de poluição mesmo, que é mais grave, podendo chegar até 50 milhões de reais e reclusão de dois a quatro anos”, disse.

Para o chefe do Estado-Maior do Comando do 6° Distrito Naval, capitão de mar e guerra (FN) Alexandre José Gomes Dória, é importante também conscientizar a população ribeirinha, principalmente durante o período de seca.

 “No início da Operação Pantanal, dia 25, foram contabilizados 20 focos de incêndio nos municípios de Corumbá e Ladário, chegando a 22. Ontem (quarta-feira), foram contabilizados seis focos no total, sendo que três são novos, ou seja, já conseguimos combater 19 focos”, informou o oficial da Marinha.

Combate. Nesta quinta, equipes em terra formadas por brigadistas da Marinha, PrevFogo do Ibama e Corpo de Bombeiros, combatem chamas em regiões próximas da área urbana de Corumbá.

O deslocamento foi realizado em embarcações e também no helicóptero Pantera do Exército e Blackhalk (H60) da FAB (Força Área Brasileira).

Além disso, as aeronaves que realizam as inserções de água nos focos de incêndios em locais considerados de difícil acesso, continuam com o combate e devem receber o reforço do avião Hércules, da FAB, que está no Aeroporto de Campo Grande e pode lançar até 12 mil litros de água por voo.

Vale destacar que Corumbá segue liderando o ranking de queimadas por município em 2020, segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Ao todo já foram registrados 2.684 focos de calor este ano. Só em julho, foram 911.