ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 26º

Política

Câmara aprova urgência de projeto que equipara aborto a homicídio

Votação simbólica garantiu que texto seja votado em plenário, sem passar por comissões

Por Gustavo Bonotto | 12/06/2024 20:23
Parlamentares conversam durante votação simbólica em plenário, nesta quarta-feira (12). (Foto: Mário Agra/Câmara dos Deputados)
Parlamentares conversam durante votação simbólica em plenário, nesta quarta-feira (12). (Foto: Mário Agra/Câmara dos Deputados)

Em uma votação relâmpago, a Câmara dos Deputados aprovou o regime de urgência do projeto que torna a punição para algumas situações de aborto similar à pena de crimes de homicídios. O texto, no entanto, ainda não tem data para ser votado no plenário.

Conforme a Agência Câmara, a votação foi simbólica, sem votos de cada parlamentar. Com a aprovação da tratativa, o PL (Projeto de Lei) de nº 1.904/2024 poderá ser votado sem passar por comissões.

A pauta fixa em 22 semanas de gestação o prazo máximo para abortos legais. Hoje em dia, a lei permite o aborto nos casos de estupro, de risco de vida à mulher e de anencefalia fetal (quando não há formação do cérebro do feto). Atualmente, não há no Código Penal um tempo máximo de gestação para o interrompimento da gravidez.

O aborto não previsto em lei é punido com penas que variam de um a três anos, quando provocado pela gestante ou com seu consentimento, e de três a dez anos, quando quem provocar um aborto sem o consentimento da gestante.

Caso o projeto seja aprovado, a pena máxima para esses casos passa a ser de 20 anos nos casos de abortos cometido acima das 22 semanas, igual a do homicídio simples previsto no artigo 121 do Código Penal.

Aborto legal - Em Mato Grosso do Sul, o único hospital autorizado a realizar o procedimento é o HU (Hospital Universitário). Atualmente, a equipe é composta pelo médico ginecologista e obstetra Ricardo Gomes e pela assistente social Patrícia Ferreira da Silva.

Segundo dados divulgados pela assessoria do hospital, no ano passado, o Serviço de Atenção ao Aborto Legal e Violência Sexual atendeu 49 pacientes, incluindo mulheres adultas, adolescentes e meninas. Dessas, 41 interromperam a gravidez.

É relevante destacar que, de acordo com os dados registrados nos boletins de ocorrência da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), em 2023 foram contabilizados 2.424 casos de estupro em Mato Grosso do Sul. Entre janeiro e as duas primeiras semanas de abril de 2024, foram registrados 479 casos de estupro no Estado.

Receba as principais notícias do Estado no WhatsApp. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nas redes sociais: Facebook, Instagram e TikTok

Nos siga no Google Notícias