ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  10    CAMPO GRANDE 

Política

Confiança em MS atrai empresários mesmo em época de crise, diz Reinaldo

Por Lidiane Kober | 15/06/2015 18:25
Reinaldo participou do lançamento da pedra fundamental da segunda linha de produção de celulose da Eldorado Brasil (Foto: Divulgação/Chico Ribeiro)
Reinaldo participou do lançamento da pedra fundamental da segunda linha de produção de celulose da Eldorado Brasil (Foto: Divulgação/Chico Ribeiro)

No lançamento da pedra fundamental da segunda linha de produção de celulose da Eldorado Brasil, nesta segunda-feira (15), em Três Lagoas, o governador Reinaldo Azambuja atribuiu investimentos no setor industrial, mesmo em época de crise, a confiança do empresariado em Mato Grosso do Sul.

“O segmento industrial cresceu no Estado por causa dessa confiança, apoio do governo, responsabilidade mútua e cumprimento de acordos”, disse, durante o evento que aconteceu na sede da Eldorado Brasil.

Além de dar incentivos fiscais para a implantação na nova linha de produção, o Governo do Estado firmou termo que compromisso com a indústria para recuperar rodovias e estradas vicinais importantes para o escoamento da produção.

Também ficou acordada a pavimentação de estradas e a troca de pontes de madeira por estruturas de concreto. A Eldorado, como contrapartida, vai gerar mais de 20 mil empregos diretos e indiretos.

“Isso pra aumentar a logística e facilitar o escoamento da produção. Também queremos um governo parceiro na formação da mão de obra e gerar mais empregos para os moradores de Mato Grosso do Sul. Estamos trabalhando para fortalecer a economia do Estado”, discursou o governador.

A Eldorado Brasil vai investir em meios inovadores de tecnologia, para duplicar sua produção. Desde 2012, a empresa já planta eucalipto para atender à demanda da nova linha e, atualmente, possui mais de 200 mil hectares de florestas plantadas. O programa de plantio de eucalipto da Eldorado é de 50 mil hectares por ano.

O empreendimento também será autossuficiente em energia e terá um excedente de energia de 170 MWh, vendida para o sistema elétrico nacional e suficiente para alimentar uma cidade de mais de 630 mil habitantes por um ano.

Nos siga no Google Notícias