ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  21    CAMPO GRANDE 28º

Política

Deputado apresenta emendas em projeto que renegocia dívidas com Agehab

Leonardo Rocha | 05/06/2015 12:02
Rinaldo Modesto apresentou emendas em projeto que renegocia dívida de beneficiários da Agehab (Foto: Roberto Higa/ALMS)
Rinaldo Modesto apresentou emendas em projeto que renegocia dívida de beneficiários da Agehab (Foto: Roberto Higa/ALMS)
De acordo com Agehab, dívida de moradores está em R$ 49 milhões, com lista de 6.347 inadimplentes (Foto: Marcelo Calazans - Arquivo)
De acordo com Agehab, dívida de moradores está em R$ 49 milhões, com lista de 6.347 inadimplentes (Foto: Marcelo Calazans - Arquivo)

O deputado Rinaldo Modesto (PSDB), líder do Governo, na Assembleia Legislativa, apresentou duas emendas ao projeto de recuperação de créditos “Morar Legal”, que visa negociar dívidas de moradores junto a Agehab (Agência de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul), que inclusive pode chegar a um desconto de 100% sobre o valor de juros, caso seja pago à vista.

A primeira emenda amplia de 30 para 60 dias o prazo para que lei entre em vigor, após ser publicada em Diário Oficial do Estado, com a intenção de conceder mais tempo para que a população tenha conhecimento do programa. A segunda (emenda) inclui a procuração particular, com reconhecimento de firma, dentre os documentos a serem apresentados nesta renegociação.

De acordo com o parlamentar, a procuração particular é menos onerosa ao beneficiário, do que a procuração pública. Rinaldo diz que o projeto que havia sido aprovado na CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação), vai voltar a comissão para analisar as emendas.

Programa – O projeto do “Morar Legal” prevê além do desconto de 100% (juros), no pagamento a vista, também a opção parcelada para quem está com atraso na quitação total, sendo 60%, para pagamento mínimo de seis prestações (atraso) e 25% de desconto em outras possibilidades. Podem participar desta iniciativa aqueles que têm financiamento ativos e inativos, no âmbito do Sistema Financeiro de Habitação.

O governador ponderou que apesar das “prestações terem valor pequeno”, ainda existe dívida pelo perfil de baixa renda dos beneficiários, o que causa impacto no orçamento da família. Esta dívida que soma R$ 49 milhões, destes R$ 20 milhões são decorrentes de juros sobre os valores em atraso. De acordo com a Agehab, 6.347 beneficiários estão inadimplentes.

O beneficiário poderá parcelar a dívida em no máximo 120 meses, com valor mínimo de 5% do valor do salário mínimo vigente. Se o pagamento da entrada (correspondente a duas prestações do acordo firmado) não for pago, a renegociação será cancelada.

Nos siga no Google Notícias