A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Julho de 2018

22/05/2017 17:03

Ex-prefeito apresenta notas e diz que vai processar JBS por danos morais

Nelson Cintra foi apontado como um dos produtores que emitiam notas frias para maquiar pagamento de propina

Lucas Junot e Anahi Zurutuza
(Foto: Divulgação/Assessoria)(Foto: Divulgação/Assessoria)

Nelson Cintra, ex-prefeito de Porto Murtinho, enviou à imprensa na tarde desta segunda-feira (22) uma nota fiscal que, segundo ele, comprova a venda de gado de propriedade dele à JBS. Cintra foi listado na delação da empresa à Operação Lava Jato como um dos emissores de notas frias para maquiar o pagamento de propina ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Em texto enviado à imprensa, o ex-prefeito, que até março ocupou cargo no governo, diz que a própria JBS comprovou o recebimento de gado para abate, por meio de nota.

“É um absurdo a declaração de dono da JBS de que a nota que emiti sobre venda de gado para abate seria ‘fria’, se o próprio frigorífico emitiu a Nota de Entrada comprovando o recebimento de gado para abate”, afirmou.

Cintra disse que fornece gado para abate desde o fim da década de 1990 e nesse tempo de atividade pecuária nunca foi interpelado e nem denunciado, pois mantém sua atividade rural dentro da legalidade, pagando todos seus impostos e encargos decorrentes da operação.

Nota enviada por Cintra à imprensa (Foto: Reprodução)Nota enviada por Cintra à imprensa (Foto: Reprodução)

De acordo com os documentos apresentados por Cintra, em 20 de setembro de 2016 vendeu ao frigorífico JBS S/A - situado na Avenida Duque de Caxias 7.255, Vila Nova Campo Grande, em Campo Grande - 136 cabeças de novilhos de 24 a 36 meses para abate. Por essa operação, a JBS S/A emitiu a nota fiscal de entrada número 043.015, pagando pela compra R$ 296.667,00, o que pode ser comprovado em seu extrato bancário. Na nota está especificada a compra de gado para abate e industrialização.

Cintra argumenta ainda que o transporte de gado foi inspecionado pela Iagro (Agência Estadual de Defesa Animal e Vegetal), “como se comprova pelas Guias de Trânsito Animal (GTA)”.

Segundo Nelson Cintra, todo o gado vendido à JBS saiu de sua propriedade, Fazenda Santa Lúcia, no município de Porto Murtinho, com GTA e nota fiscal de venda, depois comprovada com nota fiscal de entrada, como exige o fisco em todas as transações comerciais.

Cintra disse ainda que , por meio de DAE/MS (Documento de Arrecadação Estadual) recolheu taxas correspondentes ao Fundersul (Fundo Estadual de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário), no valor de R$ 1.697,07.

“Como se vê, não tenho o que esconder. O que me assusta é uma alegação falsa lançada a público como se fosse um crime”, lamenta Nelson Cintra. O ex-prefeito disse ainda que pretende pedir reparação dos danos morais causados pelos donos da JBS.

“Realizei uma venda normal, como faço há anos, agora é preciso investigar qual foi a intenção da JBS em divulgar uma mentira dessa”, finalizou.

Nota enviada pelo ex-prefeito à imprensa (Foto: Reprodução)Nota enviada pelo ex-prefeito à imprensa (Foto: Reprodução)
Secretário de Fazenda nega que emitiu notas fiscais falsas para a JBS
O secretário estadual de Fazenda e presidente do PSDB em Mato Grosso do Sul, Marcio Monteiro, publicou uma nota de esclarecimento sobre as acusações ...
Eleições presidenciais já têm cinco candidatos confirmados
No primeiro fim de semana de convenções nacionais, os partidos políticos confirmaram cinco candidatos a presidente da República: Ciro Gomes (PDT), Gu...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions