ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 

Política

MS entra na "rinha da vacina" e provoca RS na disputa por quem aplica mais doses

Postagem nas redes sociais provoca "adversários" para saber quem mais vacinou população contra covid

Por Silvia Frias e Anahi Zurutuza | 19/06/2021 11:26
Nas redes sociais, MS parabeniza e provoca "adversários" na corrida pela vacina (Foto/Reprodução)
Nas redes sociais, MS parabeniza e provoca "adversários" na corrida pela vacina (Foto/Reprodução)

“Tá páreo duro, governo do Rio Grande do Sul. Vai ser trilegal se chegarmos juntos”. A frase coloca Mato Grosso do Sul na "rinha de vacinas" que tem mobilizados gestores nas redes sociais, em disputa de quem consegue imunizar mais em menos tempo contra covid-19.

A “disputa” começou entre o governador de São Paulo, João Dória Jr, e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, que começaram a antecipar o calendário de vacinação contra covid-19.

No Rio de Janeiro, a estimativa de Paes é vacinar todos os cariocas acima de 18 anos com a 1ª dose até 31 de agosto. “Falei para não me desafiar!”, postou o prefeito. Em resposta, Dória respondeu: “Me aguarde”.

"Rinha" começou com Eduardo Paes e João Dória Jr. nas redes sociais (Foto/Reproduçao)
"Rinha" começou com Eduardo Paes e João Dória Jr. nas redes sociais (Foto/Reproduçao)

No mesmo embalo, o Governo de Mato Grosso do Sul postou o ranking dos que receberam a 1ª dose e que coloca o Estado na primeira posição, à frente do Rio Grande do Sul. No texto, parabeniza o “adversário” e todos os outros estados que se esforçam para chegar ao pódio alcançado por MS. “Sem moleza por aqui. Vacina dada, vacina aplicada”.

A disputa é acirrada e o jogo vira se contar com a aplicação da 2ª dose. Neste caso, MS costuma ficar na na 2ª posição, atrás justamente do governo gaúcho.

No dia 15 de junho, o governador Reinaldo Azambuja citou a “rinha de vacina” com o Rio Grande do Sul. “Existe aqui uma disputa extremamente saudável [MS e RS] , os estados sempre brigando pelo primeiro e segundo lugar”.

Azambuja, porém, lembrou da colaboração que ainda precisa da população. “As pessoas têm de compreender que o uso de máscara, higienização e distanciamento são necessários enquanto a gente tiver níveis satisfatórios de vacinação”.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário