A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

26/12/2012 15:29

Protesto por salários tem agressão de primeira-dama a servidor municipal

Funcionários municipais de Rio Negro estão sem receber desde outubro

Nadyenka Castro
Servidores em manifestação por salários. (Imagem: O Povo na TV/ SBT MS)Servidores em manifestação por salários. (Imagem: O Povo na TV/ SBT MS)

Protesto de servidores municipais de Rio Negro, a 144 quilômetros de Campo Grande, por salários, teve agressão da primeira-dama a um dos manifestantes. O caso foi parar na Polícia.

De acordo com o assistente administrativo Denilvan Ferreira de Carvalho, 43 anos, funcionários da Prefeitura estão sem receber os salários de outubro, novembro e dezembro. Para pressionar o prefeito, Joaci Nonato Rezende (PT) a fazer os pagamentos, aproximadamente 40 trabalhadores fizeram manifestação no último sábado (23).

“Fomos na prefeitura, como ele [prefeito] não estava lá e nenhum assessor, fomos até a frente da casa dele”, conta Denilvan. Com megafone e cartazes, os servidores questionavam onde estava o dinheiro da folha de pagamento.

Além de prefeito, Joaci é dono de um mercado e os manifestantes perguntavam aos funcionários do comércio se eles estavam com salários atrasados.

Em um determinado momento, o prefeito e a primeira-dama, Vera Lúcia, saíram da residência. Vera abriu o portão e foi direto para cima de Denilvan, conforme mostram imagens feitas pela TV Campo Grande/SBT MS.

O assistente administrativo foi empurrado e agredido com tapa. O prefeito interveio na agressão e levou a esposa para dentro de casa.

Denilvan registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil. O caso é tratado como injúria real. À Polícia, ele contou que por causa da agressão ficou com ferimento em um dos olhos e precisou de atendimento médico.

O prefeito também procurou a Polícia. O registro de perturbação do sossego do foi feito duas horas após o de Denilvan.

Segundo o servidor, o 13º foi pago, assim como os salários dos contratados e comissionados. De acordo com Denilvan, em conversa com os servidores, o prefeito disse que o repasse para o município não foi feito, mas, eles verificaram que a prefeitura recebeu dinheiro. “O dinheiro simplesmente sumiu”, fala o trabalhador.

Conforme o assistente administrativo, os mercados não vendem mais ‘fiado’ para os trabalhadores, que também não conseguem mais empréstimos. “Os armários estão vazios”, resume.

A reportagem tentou contato com o prefeito, mas ele não foi localizado.

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


O cara de pau ainda foi fazer BO de "perturbação do sossego". Vai ser "sossegado" assim lá longe sô. Agora mais feia que a atitude da primeira-dama, só ela mesma. A dona subiu nas tamanca.
 
Marcos Figueiredo em 26/12/2012 20:02:16
Que absurdo!!!!!!Onde está a lei de responsabilidade fiscal que não pode mais atrasar salários dos servidores públicos???3 meses de vencimentos atrasados...Esse prefeito já mostrou que não tem competência para administrar o município.E o judiciário do município?não se manifesta?????
 
Paulo Barbosa em 26/12/2012 17:32:20
Esse é mesmo o país dos absurdos e da impunidade. É uma injustiça o cidadão trabalhar e não ser remunerado. E já se vão três meses. A punição deveria ser exemplar para os responsáveis.
 
Thaisa Lopes em 26/12/2012 16:49:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions