A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

09/07/2013 16:18

Supostos botijões de origem paraguaia são trocados em Paranhos

Zemil Rocha
Botijão da Copagaz que teria sido trocado pelo de origem desconhecida (Foto: Hélio Acosta)Botijão da "Copagaz" que teria sido trocado pelo de origem desconhecida (Foto: Hélio Acosta)
Botijão de suposta origem paraguaia que estava sendo usado em órgão público (Foto: Hélio Acosta)Botijão de suposta origem paraguaia que estava sendo usado em órgão público (Foto: Hélio Acosta)

Os vereadores de Paranhos que denunciaram ontem o uso de botijões de gás de origem desconhecida, possivelmente paraguaia, em órgãos da Prefeitura Municipal foram hoje de novos aos mesmos locais e constataram que eles foram trocados por produto nacional. “Trocaram os botijões de gás dos dois locais que a gente denunciou”, afirmou Hélio Acosta, que esteve no local com colega de bancada Paulo Rufino, ambos do PSDB.

As visitas tinham acontecido ontem no Posto de Saúde Municipal e no CRAS e os vereadores tinham tirado fotos, para comprovar a irregularidade e demonstrar que os botijões de gás não tinham marca. Nesta manhã de terça-feira (9), os dois vereadores garantem que estiveram nos mesmos locais e constaram a troca por botijões das marcas “Copagaz” e “Nacionalgás”.

O gás de cozinha paraguaio custa quase a metade do preço do brasileiro. Enquanto o nacional é vendido em Paranhos por R$ 45,00 a R$ 50,00, no vizinho Paraguai é comprado por R$ 28,00 a R$ 30,00. “É bem mais barato, mas é diferente do brasileiro e não oferece segurança nenhuma”, afirmou ontem o vereador Hélio Acosta, que está indo hoje a Sete Quedas, onde fica a sede da comarca da região, para apresentar os documentos ao promotor de justiça.

Apesar da economia que pode representar, a compra de produto sem origem pode configurar crime de improbidade administrativa, visto que não haveria como comprovar sua aquisição com licitude contábil, segundo os vereadores denunciantes. Além disso, se os botijões foram “importados” ilegalmente do Paraguai pode haver caracterização de crime de contrabando ou descaminho.

Na noite de segunda-feira (8), o prefeito de Paranhos, Júlio Cesar de Souza (PDT), afirmou inicialmente que não sabia dizer a marca dos botijões de gás, mas cerca de meia hora depois garantiu que são da “Copagas”. Não mencionou o produto da “Nacionalgás”.

Hoje, Júlio Cesar inovou na defesa de sua administração, aventando a possibilidade de os próprios vereadores denunciantes terem “trocado” os botijões de gás ontem e tirado fotos para apresentar denuncia falsa. “Eles mesmos podem ter trocado ontem. Já determinei para o nosso pessoal tirar fotos dos botijões e vamos entrar judicialmente contra esses vereadores”, afirmou.

Segundo o prefeito, há uma ação oposicionista tentando denegrir sua administração. “As coisas que eles (os vereadores denunciantes) fazem é só para prejudicar a nossa administração. Se quisessem realmente exercer o papel de fiscalização, tinham ido no setor de compras da prefeitura, visto os documentos, as notas fiscais e ido no mercado o que foi licitado para ver se teve irregularidade”, argumentou.

Indagado se os chefes dos órgãos da prefeitura, que foram nomeados por ele, não deveriam então denunciar a “troca” de botijões diante de uma eventual “armação” de vereadores oposicionistas, o prefeito respondeu que esse funcionários poderiam não estar no local. Além disso, na primeira visita ao Posto de Saúde Municipal, segundo os vereadores, a coordenadora estava presente e chegou a dizer que o botijão tinha sido adquirido no Mercado Apolo, em Paranhos.

 

 

 

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...
Governo do Estado investe R$ 9,2 milhões em infraestrutura em Caracol
Caracol vai receber mais de R$ 2,8 milhões em obras a serem executadas pelo Governo do Estado em parceria com a prefeitura e deputados federais e est...


precisa fazer barulho desse jeito? os produtos do paraguay são bem melhores que do Brasil, senão não ia vender tanto. se ta errado, tem que denunciar mesmo, pra isso que serve vereador, agora não precisa ficar desmerecendo o Paraguay não... como coisa que o Brasil é um paraíso, e eu quero saber onde que o gás do paraguay ta custando 28 reais, eu moro no paraguay, trabalho num mercado paraguayo e nunca vi um gás custar menos que 50 reais aqui,se alguém souber me avise...
 
dulce soares em 11/07/2013 22:20:46
Puts até a cor do botijão foi copiado da Copagaz, bem coisa do Paraguai mesmo,
lembrem-se que no Paraguai não se paga impostos, e muito menos existe um controle de qualidade dos produtos.
 
Marcos Wild em 10/07/2013 19:54:38
O Brasil, Paraguai e Bolívia poderiam perfeitamente abolir a figura do contrabando abrindo totalmente a fronteira econômica entre estes três países. Tal medida não traria prejuízo para ninguém, pois o volume comercial que transita entre estas fronteiras gera dígitos desprezíveis no PIB brasileiro.
 
Marco Aurélio Gonçalves Chaves em 10/07/2013 08:53:41
Obrigado pela dica preciso de economia ,não tinha conhecimento da diferença do preço com essa noticia vou comprar só no paraguai agora.o Hélio Acosta parece que não se lembra da sua origem que é paraguaia. ele deve comprar botijão só lá no ype jhu e agora fica menosprezando comerciantes paraguaios falando mal dos produtos e desqualificado nossos amigos vizinhos .
 
hilda furacaoo em 10/07/2013 07:56:08
Que vergonha ..... o gás custar 55,00 reais aqui (comprei 1 ontem) e 28,00 reais no Paraguai. Ah voces pensaram que eu estava falando do prefeito ? Bom ele tambem esta errado pois praticou segundo a noticia o contrabando que é a entrada ou saída de produto proibido, ou que atente contra a saúde ou a moralidade. ou o descaminho que é a entrada ou saída de produtos permitidos, mas sem passar pelos trâmites burocrático-tributários devidos, ou seja sem dar a parte do governo, que pega este dinheiro e transforma ele em gás ja que ninguem vê pra onde vai os impostos. Ta tudo errado !!!!
 
Jose Batista em 09/07/2013 17:03:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions