ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 24º

Política

TRE indefere candidatura de diretor de faculdade na fronteira

O resultado de agora é de recurso que ele apresentou contra a impugnação

Lucia Morel | 08/09/2022 19:16
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Karlos da UCP durante evento do MDB. (Foto: Reprodução das redes sociais)
Karlos da UCP durante evento do MDB. (Foto: Reprodução das redes sociais)

O candidato a deputado federal, Aparecido Carlos Bernardo (MDB), o Karlos da UCP (faculdade de Medicina em Pedro Juan Caballero), teve sua candidatura indeferida pela Justiça Eleitoral de Mato Grosso do Sul, que reconheceu o postulante como inelegível.

Primeiro, o registro da candidatura foi impugnado pelo procurador Pedro Gabriel Siqueira Gonçalves, que verificou a ausência de comprovação da filiação de Carlos Bernardo ao MDB dentro do prazo estabelecido pela legislação eleitoral – pelo menos seis meses antes das eleições, ou seja, até o dia 2 de abril.

O candidato apresentou a defesa e conseguiu comprovar que está filiado desde o dia 18 de março, mas que por erro do partido, o registro não havia sido incluso no sistema da Justiça Eleitoral.

Já no dia 22 de agosto, a candidatura sofreu outro revés. Bernardo foi condenado no pelo Tribunal Regional Eleitoral ao pagamento de multa de R$ 6.923,24 e considerado inelegível por oito anos. A punição foi imposta pelo juízo da 52ª Zona Eleitoral de Ponta Porã – e confirmada pelo TRE-MS – por causa de doação no valor de R$ 90 mil, feita pelo emedebista, em 2020, a um candidato a prefeito do interior de Goiás. O limite legal era de R$ 69.232,45.

O resultado de agora é de recurso que ele apresentou à impugnação alegando falta de justa causa para a inelegibilidade. A decisão cabe recurso no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e Carlos Bernardo poderá concorrer sub judice – na tradução para o português, “em julgamento” – se até o dia 2 de outubro, ainda houver possibilidade de recursos. Mas, caso a condenação seja confirmada pelo TSE, os votos depositados no candidato serão anulados.

Bernardo foi a segunda baixa no plantel do MDB. Primeiro, o partido enfrentou a renúncia de Jamal Salém, que “caiu” na lista de ficha suja do TCU (Tribunal de Contas da União), por condenação como ex-secretário de Saúde de Gilmar Olarte.

Nos siga no Google Notícias