A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

05/06/2013 17:30

Vereador propõe instalação de brigada de incêndio na Guarda Municipal

Leonardo Rocha e Jéssica Benitez

O vereador Eduardo Romero (PT do B), presidente da comissão de meio ambiente da Câmara Municipal, ressaltou após audiência pública sobre incêndios, que irá requisitar a prefeitura a instalação de uma brigada de incêndio na corporação da Guarda Municipal. Ele ressaltou que o Corpo de Bombeiros repassa ao executivo todas as denúncias de incêndios e que resta ao poder público fazer a fiscalização e apuração dos autores destes atos.

Romero destacou que este tipo de prática é cultural em Campo Grande, e que a população só continua praticando incêndios em terrenos baldios, porque não há uma postura mais severa da prefeitura. “Os bombeiros repassam a informação do local e endereço ao executivo, as pessoas querem fazer limpeza e acabam causando mal a saúde. A prefeitura deve fazer esta fiscalização”, destacou.

O major e biólogo Edmilson Queiroz, que integra a policia ambiental estadual, ressaltou que existe uma ação partilhada da corporação com os municípios, e estes são responsáveis pela apuração dos atos. “As pessoas resolvem economizar dinheiro e provocam estes transtornos, a maior preocupação é na área rural, onde as pessoas fazem incêndios para abrir caminho”, explicou o major.

Ele ainda adiantou que esta prática, além de caracterizar um crime ambiental, também está prevista no artigo 250 do Código Penal, já que coloca a “vida das pessoas em risco”. Neste ano, Queiroz relembrou que já houve casos em Corumbá, Bataguassu e Aquidauana. “Só na Operação Corpus Christi foi registrada queimadas em 25 hectares na área rural, nas proximidades de Campo Grande”, revelou ele.

Projetos – O vereador Eduardo Romero tem dois projetos que estão em tramitação na Câmara Municipal. Um deles prevê que a prefeitura limpe os terrenos que estejam abandonados e depois cobre a “fatura” no IPTU dos proprietários. O outro incentiva a população a “adotar” um terreno baldio, com o intuito de utilizar para plantação. Desta forma, o “voluntário” conseguiria junto ao proprietário do terreno, um contrato de “cedência”.

Os dois projetos de Romero estão parados na Câmara, para que sejam analisados e tenham uma orientação técnica e jurídica. O vereador ainda acrescenta que o FMMA (Fundo Municipal do Meio Ambiente) possui R$ 800 mil em caixa e que poderia promover diversas campanhas educativas tanto nos bairros, como em praças e parques da Capital.

Reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, diz Meirelles
A reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, de acordo com o ministro da Fazenda Henrique Meirelles. A declaração foi dada na noite de...
Quanto mais reforma demorar, mais dura será correção, diz ministro
Caso o governo não consiga aprovar a reforma da Previdência ainda este ano, conseguirá em 2018, disse hoje (11) o ministro do Planejamento, Dyogo Oli...


Brigada de incêndio pra que!? Já existe o órgão municipal do meio ambiente. Portanto, que se faça apenas um convênio dando poder de polícia administrativa nesse caso de fiscalização ambiental contra as queimadas. A brigada de incêndio é algo muito mais complexo e exige mais infra-estrutura para agir e ao que nos consta o Município até o momento não investiu o suficiente sequer para que a guarda trabalhe com dignidade. Antes de tudo senhor vereador exija a estruturação efetiva da GMCG e aí lhe pague a missão e não o contrário! !
 
laercio souza em 05/06/2013 21:52:08
Uma boa idéia. Precisamos urgente.
 
robson de souza em 05/06/2013 18:24:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions