A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

23/12/2012 12:38

Carga e descarga de produtos piora tumulto nas ruas

Carga e descarga

Nadyenka Castro
De um lado caminhões estacionados; de outro, carros e motos. No meio, automóveis esperam para passar enquanto outro caminhão faz descarga. (Foto: Luciano Muta)De um lado caminhões estacionados; de outro, carros e motos. No meio, automóveis esperam para passar enquanto outro caminhão faz descarga. (Foto: Luciano Muta)
Professora fala que situação atrapalha trânsito, mas, se incomodaria se estivesse atrasada para o trabalho. (Foto: Luciano Muta)Professora fala que situação atrapalha trânsito, mas, se incomodaria se estivesse atrasada para o trabalho. (Foto: Luciano Muta)

Passar por ruas onde há ponto de carga e descarga em empresas se transformou em mais um transtorno do trânsito de Campo Grande e piora o tumulto que cresce à medida que a cidade ganha ainda mais carros nas ruas. A situação é mais grave perto de supermercados e concessionárias, onde caminhões parados atravancam o andamento das ruas. 

“Atrapalha o trânsito sim”, fala o contador Justino Rodrigues, 40 anos, sobre a situação na rua Sergipe, entre a rua Antônio Maria Coelho e avenida Mato Grosso. Ele diz que não é trajeto dele vias onde há carga e descarga, passa apenas ocasionalmente e que não se incomoda.

O analista de tecnologia da informação, Carlos Roberto, 39 anos, também não costuma passar em vias onde caminhões manobram e estacionam para descarregar em mercados e concessionárias de veículos, mas, ao se ver diante da situação no mesmo ponto que Justino, declarou: “Atrapalha o trânsito”.

Para a dona de casa Camila Boer, 32 anos, “bom senso, todos precisam”, disse, referindo-se ao fato de que, apesar de deixar o trânsito lento por alguns minutos, os motoristas precisam entender que é para o abastecimento do mercado. Ela passa no local todos os dias, não se incomoda e afirma que há momentos em que o fluxo é “tranquilo”.

“Se eu tivesse atrasada para o serviço me atrapalharia”, fala a professora Elizangela Cristina, 30 anos, após esperar alguns segundos para seguir o trajeto por conta da manobra de um caminhão frigorífico. Para ela, “o trânsito precisa ser reorganizado”, em locais onde a cena que ela testemunhou é repetida diariamente.

Jucimar Coelho, 38 anos, é motorista de um dos caminhões que ‘parava’ o trânsito na rua Segipe quando a reportagem estava no local. “Acho errado ter que fazer isso, mas não tem outro jeito. Tinha que ter um lugar só para caminhão”, fala sobre a via mão dupla e onde os caminhões só estacionam de um lado e do outro estão veículos de moradores da região e funcionários do mercado.

Mão única- Na rua Antonio Bicudo, Vila Almeida Lima, o trânsito é tranquilo apesar de ser ponto de carga e descarga. A via é mão única, o fluxo não fica lento e não há reclamações. “Os caminhões ali não atrapalham o trânsito”, declara o funcionário público aposentado Luiz Roberto Rosafim, 60 anos.

Motorista de caminhão, Edvaldo Costa da Silva, 25 anos, fala que o local é tranquilo, mas, para ele, os comércios deveriam construir espaços específicos para estacionamento dos veículos que fazem carga e descarga.

 

Na via mão única, caminhões estacionados dos dois lados da rua atrapalham o trânsito.Na via mão única, caminhões estacionados dos dois lados da rua atrapalham o trânsito.

Legislação – A Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) alerta que há horários estabelecidos para o trabalho. De acordo com o chefe da Divisão de Fiscalização de Trânsito, Carlos Guarini, as regras para carga e descarga valem apenas para o perímetro que fica entre as avenidas Mato Grosso, Fernando Correa da Costa e Ernesto Geisel e rua José Antonio. Fora desta área, o que vale são as placas indicativas.

No perímetro citado a regra é de acordo com horário e peso da carga. Até uma tonelada o horário livre; a partir dessa quantidade até 5,1 toneladas é permitido a descarga das 20 horas às 10 horas e mais que 5,1 toneladas, entre 20 horas e 8 horas.

Quem for flagrado desobedecendo estas regras e as placas que indicam a proibição, é multado em R$ 85,12 e tem quatro pontos tirados da CNH (Carteira Nacional de Habilitação). A infração é considerada média.




Cadê a agetran para se manifestar, ao invés de estarem multando no centro.Porquê não vão ver esse absurdo nessa via pública.
 
Luiz Pereira em 24/12/2012 10:30:15
1° Motrista que reclama de caminhoes estacionado um pouco nao sabe dirigir, tem que ter a rua so pra ele. agora as caçamba em construçoes atrapalaham muito em ruas apertadas deveriam por dentro das casas .
 
Andreson Dias em 24/12/2012 10:11:05
É uma vergonha estas areas de descargas destes supermercados de Campo Grande , NÀO existe area para estacionamento dos caminhões que abastecem os mercados, não sei como a PMCG libera habite-se é uma piada prestem atenção . Qualquer burro que prestar atenção nas areas de descargas deste SUPERMERCADOS , vai verificar a falta de estrutura , sem (plataformas , estacionamento p/ caminhões) é um transtorno.
 
Ado Filho em 24/12/2012 09:29:10
Os caminhões nao atrapalham o trânsito na Antônio Bicudo?!?! Esse senhor deve morar bem longe desse Atacadista a que se referiu. Já fiquei esperando os caminhões manobrarem e descarregarem por horas. Sem contar quando estacionam em frente ao condomínio ou fecham a entrada de carros.
 
Janine Gonzalez de Paula em 23/12/2012 22:46:52
Porque também não rever as regras para construção e/ou reformas prediais e calçadas, quando por tempo indeterminado , pedestres ficam sem calçada e tem que as vezes desviar de caçambas para o meio das ruas?
 
José Soares em 23/12/2012 17:41:56
Não adianta de nada esta lei do horário de carga e descarga se não tem polícia para fiscalizar! Tem de ser como no EUA onde todo policial pode atender chamada de trânsito e ocorrências. Já muitas coisas erradas acontecendo no trânsito na frente da PM e eles nem ligarem pois dizem ser de resposabilidade da CIPTRAM, pelo demembramento das ocorrência sim é competência da CIPTRAN, mas onde estão que nunca os vemos nas ruas senão só após os acidentes? Se for só para eles aparecerem depois do ocorrido o melhor é extinguir o departamento e dar autoridade de trânsito tambem a PM e com a ecônomia gerada aumentar a remuneração dos mesmos (que ganham pouco para quem põe a vida em risco) e político com ganhos de mais de R$5mil (e nem calos na mão tem!), é uma VERGONHA nosso país!
 
Alexandre de Souza em 23/12/2012 13:13:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions